Conheça Rafael Mulisha, ex-garimpeiro que luta nas divisões de acesso do UFC nos Estados Unidos

Rafael "Mulisha" não teve uma trajetória fácil, mas nunca desistiu do sonho (Divulgação/V2mm)


Para todo jovem ligado em artes marciais, morar fora do país e lutar nos principais palcos do mundo é um sonho. O caminho é árduo, mas pode ser ainda mais difícil quando seu "habitat" fica bem distante dos grandes centros. Assim foi a jornada de Rafael “Mulisha” Nascimento, lutador de 30 anos, natural de Apiacás, cidade de menos de 10 mil habitantes, no extremo norte do Mato Grosso.

+ Ex-lutadora do UFC entra no OnlyFans: saiba 12 nomes do esporte que vendem conteúdos na plataforma

– Vim de um município muito pequeno onde todo mundo se conhece e o garimpo sempre foi a ocupação da maior parte da população de lá. Comigo não foi diferente. Venho de uma família de garimpeiros e esse sempre foi meu meio. Na infância, as crianças gostavam de brincar com bola, mas eu sempre gostei de esportes e brincadeiras mais radicais – contou Rafael.

A abertura de uma academia na cidade de Rafael canalizou esse gosto e transformou a vida do mato-grossense.

– Foi quando abriu uma academia, bem pequena, na minha cidade. Eu tinha 12 anos e lá só tinha karatê, mas hoje, olhando para aquela época, era como se no primeiro contato eu já soubesse que rumo queria trilhar – ele relatou.

+ Anderson Silva celebra saída do UFC: ‘A carta de alforria foi assinada’

A história, porém, guardou muito suor entre os meios e os fins, antes de virar um exemplo de sucesso. “Mulisha” viveu idas e vindas entre o garimpo e a luta até 2019.

– Foram muitas faces desse sonho. Eu sempre enxerguei o garimpo como meu patrocinador. Algo que eu tinha que fazer para financiar meus objetivos. Sempre que conseguia juntar o valor necessário ia para o Rio de Janeiro, treinava e lutava com os melhores do país. O dinheiro acabava e eu tinha que voltar mesmo que quisesse permanecer – lembrou o lutador.

Um episódio trágico determinou o futuro de Rafael, que aos 29 anos, decidiu largar a profissão e apostar de vez naquilo que sempre quis.

– Naquele ano, aconteceu um acidente com fogo e perdi todo meu maquinário e minha balsa. Na época foi terrível, mas hoje vejo que todos os sinais que me trouxeram até aqui, me levaram para onde deveria ter ido bem antes – falou Rafael.

+ Anderson Silva não teme que derrota para youtuber afete legado: ‘Não é sobre vencer ou perder’

Hoje, morando em Los Angeles e competindo em alto nível nos maiores centros de MMA do mundo, Rafael se diz pronto e motivado para continuar subindo e ganhando espaço no cenário.

– Minha vida mudou, vivo da luta e dedico meu corpo e minha mente ao sucesso da minha carreira. Sei que os obstáculos são grandes, mas estou preparado e blindado para tudo – comentou o lutador.

Faixa preta no kickboxing e roxa no jiu-jitsu, “Mulisha” estreou nos pesos-galos da Legacy Fighting Alliance (LFA) em julho deste ano em evento realizado em Phoenix, no Arizona. Venceu finalizando com um mata leão o confronto contra o melhor ranqueado do estado inteiro. Ao todo, seu cartel soma sete lutas oficiais com seis vitórias e apenas uma derrota, incluindo um triunfo no Jungle Fight 99, no Rio de Janeiro. Aguardando confirmação, Rafael vive expectativa de voltar ao octógono em outubro ou novembro para ganhar posições valiosas no ranqueamento da liga.