Conheça Gabriele Bachi, a discreta filha de Tite que foge do perfil do mundo do futebol

Aos 27 anos, seria um caminho normal: Gabriele Rizzi Bachi, filha caçula de Tite e influencer. Milhares de seguidores no Instagram. Tabelinha constante com a cunhada Fernanda, mulher do irmão Matheus, investindo firme na nova carreira digital. A vida contada em tempo real, todos seus passos no Catar, à espera do tão sonhado hexa.

A definição, porém, é outra. Entre tantas versões de reality shows compartilhadas por familiares de jogadores e comissão técnica da seleção, existe uma figura discreta. De perfil pouco abastecido nas redes sociais, mas currículo bem mais interessante.

Simulador: você decide quem será campeão da Copa do Catar

Tabela da Copa: Datas, horários e grupos do Mundial do Catar

A filha de Tite é socióloga, graduada pela PUC-RS. No trabalho de conclusão de curso, estudou os papéis de gênero representados em um desenho animado. Ela investe na vida acadêmica e emendou o curso de mestrado em 2021.

Ela está em Doha com a família. Enquanto o pai e o irmão mais velho se dividem entre o hotel The Westing e os treinos no centro de treinamento montado no Al Arabi, Gabriele está em um apartamento alugado em The Pearl, bairro nobre da capital do Catar, com a mãe, Rosmari. A cunhada e os sobrinhos também estão na cidade.

Quando a CBF libera jogadores e comissão técnica para passarem um tempo com familiares, seja na área de convivência do CT, seja pelas ruas de Doha, tem a chance de estar com o pai. Já foi vista com o grupo de familiares que esporadicamente acompanham os treinos no Grand Hamad.

Se o título mundial vier, será um pouco dela também. Tite sempre enaltece o papel da família na sua carreira. Em entrevista ao GLOBO, contou passagem envolvendo a filha:

- Teve uma vez que eu passei nove meses desempregado. Não estava chegando nada e depois veio uma proposta de um time que estava brigando para não cair, depois a segunda, a terceira. Na quarta, eu disse: “eu vou”. Aí minha filha chegou e disse para que eu não fizesse aquilo. “Você construiu toda uma carreira para não ter de pegar trabalho no meio. Sei que sua autoestima está baixa, mas espere. Se tiver de esperar a virada do ano, espere. Você não diz que é treinador, que constrói equipes?”. Eu sempre tive esse núcleo familiar muito forte. Tenho certeza, só cheguei aqui graças a eles.

Na juventude, teve de lidar com a marcação cerrada do pai, conforte Tite afirmou em entrevista ao Ge em 2010, quando ela ainda tinha 16 anos. Depois disso, ela ganhou mais liberdade, passou períodos fora do Brasil, estudando, tanto durante o Ensino Médio quanto ao longo da graduação em sociologia.

Álbum completo: conheça todos os 831 jogadores da Copa

Ao vivo: Bastidores, informações e análises da cobertura direto de Doha

Hoje, ela acaba sendo um contraponto ao mundo boleiro no qual Tite está inserido. De vez em quando, é citada pelo pai em entrevistas. É descrita pelas pessoas que convivem com o treinador como inteligente e estudiosa, mas avessa aos holofotes que o futebol geralmente traz para quem se destaca nele. Ou para as pessoas mais próximas.

Procurada para dar entrevistas ao longo desses anos em que Tite se consolidou como o principal técnico do Brasil, sempre recusou. A exemplo da família, é reservada no contato com a imprensa. A exceção é o próprio pai, que costuma ter habilidade para lidar com os jornalistas como poucos. Talvez o hexa no Catar mereça uma postagem no Instagram de Gabriele. Discreta, com legendas curtas, como costuma fazer.