Confederação Israelita critica CNN por insinuar que comunidade judaica interfere em escolhas de ministros

Conib e Fisesp emitiram nota criticando falas de jornalistas da CNN em relação à judeus (Foto: Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) e a Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp) divulgaram uma nota desta sexta-feira, 15, expressando desconforto com comentários feitos no programa “Live CNN”, da CNN Brasil, sobre o envolvimento de judeus na escolha de ministro do governo Jair Bolsonaro.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Segundo a nota, a jornalista Basília Rodrigues “passa a impressão de que a comunidade judaica tem responsabilidade e interfere nas escolhas de ministros”. Na fala, ela se referia à escolha de Teich, aprovada por “membros da comunidade judaica”, além de empresários e da comunidade judaica.

No programa, foi dito que, quando Teich foi escolhido “estavam na mesa, para a escolha do ministro da Saúde: empresários, médicos e judeus”. Na nota, as instituições afirmam que “ser judeu não é uma profissão e não é justo que nos qualifiquem desta maneira. Entre os médicos e empresários certamente também se encontravam pessoas de outras religiões”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

A Conib e a Fisesp afirmam que a comunidade judaica é plural e judeus e judias estão em todos campos do espectro político.

Leia também

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

“Não são apenas duas ou três pessoas que, pelo fato de serem judeus, podem carregar consigo a opinião e as ações de uma comunidade plural, que conta com mais de 120 mil pessoas em todo o Brasil”, dizem as instituições.

Procurada pela reportagem, a CNN Brasil afirmou que nunca teve a intenção de agredir nenhuma religião. “Nossa empresa tem o compromisso de praticar o jornalismo plural, aberto para a manifestação dos mais variados segmentos sociais, sem qualquer viés discriminatório que proporcione desconfortos de caráter religioso, cultural e ideológicos”, diz a nota.