Comprador da obra digital de US$ 69,3 milhões se esconde atrás do pseudônimo Metakovan

·2 minuto de leitura
Colagem do artista Beeple, conhecido também como Mike Winkelmann, pioneiro no mercado de arte virtual

O comprador da obra digital "Everydays: The First 5,000 Days", que foi vendida na quinta-feira por 69,3 milhões de dólares, é um colecionador familiarizado com as novas tecnologias que se identifica com um pseudônimo, Metakovan, anunciou nesta sexta-feira (12) a casa de leilões Christie's.

A venda da obra inteiramente virtual criada pelo artista americano Beeple, cujo nome verdadeiro é Mike Winkelmann, teve um grande impacto no mercado de arte, onde a arte digital é comercializada há seis meses entre uma minoria.

Apenas dois artistas conseguiram um preço mais alto em vida por suas obras: o pintor britânico David Hockney e o artista plástico americano Jeff Koons.

O agora proprietário desta colagem digital, Metakovan, é um dos investidores pioneiros em NFT, formato de obras virtuais como "Everydays", cuja autenticidade e rastreabilidade são consideradas invioláveis.

O mecanismo dos NFT, ou tokens não fungíveis, é baseado na tecnologia blockchain, também usada por criptomoedas como o bitcoin.

Com seu sócio, que se autodenomina Twobadour e cuja identidade também é mantida em segredo, Metakovan criou, em 2017, o Metapurse, o principal fundo de investimento em objetos virtuais NFT, do qual é o maior financiador.

No início de janeiro, o Metapurse anunciou que havia adquirido vinte quadros virtuais de Beeple por um total de aproximadamente 2,2 milhões de dólares.

"Quando se trata de NFTs de alto valor, isso vai ser muito difícil de superar", comentou sobre "Everydays" Metakovan, citado no comunicado da casa de leilões, pois "representa 13 anos de trabalho diário".

Mike Winkelmann concebeu o projeto "Everydays" em 2007, disposto a produzir uma peça todos os dias. O artista da Carolina do Sul, nos EUA, acumula atualmente 5.064 trabalhos consecutivos.

"As técnicas podem ser copiadas e o talento pode ser superado, mas a única coisa que não pode ser reproduzida digitalmente é o tempo", explicou Metakovan. "Everydays" é "a joia da coroa, a obra mais preciosa desta geração. Vale um bilhão de dólares".

Em meados de janeiro, o Metapurse anunciou o lançamento de três museus virtuais para exibir as aquisições do fundo.

tu/rle/ll/dga/ic/am