Como saber se ela chegou lá ou fingiu um orgasmo?

·3 minuto de leitura
Passion in bed. African-american couple hands pulling white sheets in ecstasy, closeup
Confira cinco sinais de satisfação verdadeira que o corpo feminino dá durante o sexo. Foto: Getty Images

Por Nathalia Ziemkiewicz (@pimentaria)

A forma mais fácil de descobrir se uma mulher gozou deveria ser... perguntando para ela. Mas, convenhamos, nem todo casal está em busca ou em condições de estabelecer uma comunicação honesta, um dos pilares da intimidade sexual. Pode ser só uma transa casual em que ambos não querem expor suas vulnerabilidades, bem na linha “você finge que goza e eu finjo que acredito”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Para se ter ideia, 60% das mulheres hétero já fingiram um orgasmo – destas, 55% admitem que o fazem com frequência. Os dados são de uma pesquisa recente publicada no respeitado jornal acadêmico Archives of Sexual Behavior. Participaram do estudo 463 britânicas com idade média de 38 anos. Os principais motivos delas para encenar o clímax entre quatro paredes foram: cansaço, vontade de acabar logo com o sexo, encobrir a insegurança ou o medo diante da possibilidade de não ter um orgasmo, aumentar a excitação do parceiro.

Leia também:

No mundo ideal, as mulheres conheceriam os atalhos do próprio prazer e seriam capazes de alcançar o orgasmo sempre – seja dizendo ao outro como gostam, sem temer julgamentos, ou mesmo conduzindo a situação. No mundo real, muitas jamais se masturbaram e apelam para gemidos fake para não frustrar a vaidade alheia. E se fossem livres o bastante para dizer “preciso que você estimule mais o meu clitóris” ou “não rolou pra mim desta vez”?

Então, embora muitos aspectos do orgasmo possam ser reproduzidos, uma parceria sexual atenta à linguagem corporal é capaz de reparar nestas cinco pistas de satisfação verdadeira:

  1. Respiração

Durante o processo de excitação, os batimentos cardíacos e a temperatura corporal aumentam, assim como a respiração tende a acelerar. Quando estão próximas de liberar essa tensão sexual, muitas mulheres ficam ofegantes e/ou expiram emitindo sons (“aaaaah”). Claro que algumas podem bloquear essas manifestações, mesmo muito excitadas, por timidez ou outras “travas” pessoais.

  1. Lubrificação

Uma mulher que está prestes a gozar muito provavelmente estará com a vulva bem molhada, lábios vaginais inchados e avermelhados/arroxeados pela vascularização de sangue na região, glande do clitóris mais exposta e “ereta”. Vale lembrar que o padrão de lubrificação pode ser afetado por questões hormonais, como menopausa e até o uso de certas pílulas anticoncepcionais. Portanto, ela pode estar com muito tesão e mais “seca”.

  1. Espasmos involuntários

Arrepios pelo corpo, mamilos enrijecidos, manchas vermelhas no rosto são outras pistas de que “o negócio tá bom” de verdade para ela. Enquanto goza, a mulher tem contrações rítmicas e involuntárias dentro do canal vaginal. É possível perceber as paredes apertando seus dedos ou pênis com força. Mas, veja bem, praticantes iniciantes de pompoarismo também são capazes de imitar essas contrações...

  1. Relaxamento

Quando o orgasmo vem, algumas mulheres se retorcem, empurram os quadris em direção ao parceiro, fecham os olhos, jogam a cabeça para trás, mordem os lábios, contraem os dedos dos pés, gritam, dão risada e até choram... As reações são as mais diversas! Em seguida, inevitavelmente, elas relaxam e o corpo se solta. Dependendo da intensidade do gozo, pode ser realmente difícil continuar o sexo no ritmo de antes e ela deseje apenas ficar deitada por ali – contemplando a própria potência.

  1. Aflição

Graças à extrema sensibilidade genital pós-orgasmo, é perfeitamente comum que as mulheres tenham aflição de serem tocadas. Elas podem pedir para que você pare imediatamente o que está fazendo, tire a mão da vulva ou a língua de seu clitóris. Algumas sabem que, passados alguns segundos ou minutos, rola continuar o estímulo para tentar orgasmos múltiplos numa única “sessão”.

Nathalia Ziemkiewicz, autora desta coluna, é jornalista pós-graduada em educação sexual e idealizadora do blog Pimentaria

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos