Como proteger seu pet dos perigos do calor

Verão pede cuidados especiais com seu bichinho de estimação (Foto: Getty Images)

Por Kelisson Rodrigues (@kelisson)

Segundo relatório de 2018 da Organização Metereológica Mundial, os últimos quatro anos foram o mais quentes da história. E se nos sentimos como verdadeiros picolés durante o verão, estação que fica cada vez mais “acalorada”, imagina nossos pets.

Receba novidades sobre o mundo dos famosos (e muito mais) no seu WhatsApp

Segundo Jade Petronilho, comportamentalista veterinária da Petlove, o principal problema que atinge os bichinhos em épocas de calor intenso é a hipertermia. O aumento da temperatura corporal pode ser letal, em casos extremos, e ataca tanto por excesso de atividades físicas, quanto pela exposição excessiva ao sol.

Mas afinal, como proteger o seu bichinho das altas temperaturas? Seja você um fã de gatos os cachorros, confira algumas dicas para deixá-los numa boa.

Cuidado com a tosa

Antes de mais nada, é preciso saber que o pelo dos pets os protegem tanto do frio, quanto do forte calor, já que é um isolante térmico. Por isso, dependendo da forma que a tosa é feita, pode ser bastante prejudicial. “A tosa não é recomendável para algumas raças, enquanto outras até podem ter partes aparada”, explica a veterinária. “Portanto, a prática deve ser feita com moderação e com a indicação de um profissional. Na dúvida, opte por uma tosa na tesoura, que tira apenas o excesso”, completa.

De olho na hidratação

Piscina e brincadeiras com água podem ser ótimas opções para aliviar o calor do pet (Foto: Getty Images)

A sede dos pets pode acabar em um piscar de olhos com água comum, então é sempre importante deixar água fresca à disposição. Outra alternativa interessante para dar um vigor extra no seu animalzinho é a água de coco, pois ela hidrata rapidamente, tem poucas calorias e conta com várias vitaminas e minerais benéficos.

Vai um sorvete?

Quando o assunto é alimentação, além das comidinhas de costume, podemos oferecer ração úmida congelada. Quer fazer uma graça? Congele frutas, por exemplo banana, mas evite as mais cítricas. Elas podem fazer mal ao seu cãozinho ou gato.

Passeios noturnos

As temperaturas de calçadas e asfaltos ultrapassa os 40 graus num dia de calor. E os coxins, as almofadinhas dos cães, são sensíveis. Para evitar queimaduras, certifique-se de usar calçados caninos ou então prefira passear com eles durante a noite.

Quer agradar seu gatinho? Congele a ração molhada e sirva como um picolé (Foto: Getty Images)

Sente a brisa

Cuidado com canis muito fechados ou ambientes da casa sem circulação de ar: é importante mantê-los em locais arejados, em que podem se abrigar do sol, preferencialmente com uma temperatura mais amena e agradável. “Se o cachorro gostar de brincar na água e piscinas infantis, pode ser uma alternativa divertida e que não oferece risco pelo fato de não ser funda”, explica Jade.

Além da piscina, existem acessórios e outros produtos úteis para ajudar os pets a se refrescarem no calor. Atualmente, existem tapetes gelados que mudam de temperatura com o peso do animal, bolas, ossinhos e outros brinquedos que ficam mais frios.

Dono de pug? Presta atenção

Pets que têm aquele focinho curto, conhecidos cientificamente como braquicefálicos, merecem maior atenção, pois naturalmente têm uma certa dificuldade de trocar calor com o ambiente. É o caso de pugs, buldogues e até lhasa apso, raças muito populares no Brasil.

“Os pais precisam se atentar aos sinais como língua de fora, letargia (com o calor eles ficam mais prostrados), vômito, falta de apetite, e buscar ajuda de um médico veterinário caso note algo diferente”, orienta a especialista. “Também é preciso ficar de olho nos horários de passeio, evitar exercícios físicos em períodos mais quentes e sempre deixar água fresca à disposição”, acrescenta.

Assista a seguir: Zoo do Rio refresca animais durante o verão