Como o TikTok descobriu Marina Sena antes de todo mundo

·2 min de leitura
A cantora de 24 anos já é hit. Foto: Divulgação
A cantora de 24 anos já é hit. Foto: Divulgação

Por Guilherme Tintel (@guitintel)

Como diria a internet, Marina Sena “é o momento”. Cantora mineira de 24 anos, a artista lançou neste ano o seu primeiro disco solo, “De primeira”, e logo de cara ou, como diz no nome do álbum, de primeira, emplacou o hit “Por Supuesto” como a música viral nº1 do Spotify em todo o mundo.

Apesar de para muitos - incluindo a própria artista - todo esse sucesso ainda parecer repentino, sua chegada ao topo já era esperada pelo TikTok, que incluiu a brasileira na sua lista de apostas de nomes da próxima geração.

O Generation NXT, programa de incentivo da plataforma, visa contribuir para o crescimento de artistas emergentes e, em sua segunda turma, convocou Marina para conhecer seus principais “do’s” e “don’ts”, ensinando como ela e outros nomes como Lukinhas, Jotta A, Malu e Marvvila poderiam extrair o máximo da rede social e, consequentemente, colher bons frutos desse vindouro engajamento.

A iniciativa, além de impulsionar novos talentos, coloca também o TikTok, que recentemente lançou no mercado a sua própria plataforma de streaming, Resso, na linha de frente dos aplicativos de relevância para a indústria musical, tornando-o muito mais que um mero termômetro de futuros hits, mas, sim, um elemento decisivo para se alcançar o topo. E deu certo.

Antes do sucesso no Spotify, “Por Supuesto” apareceu em mais de 40 mil vídeos no aplicativo conhecido pelos desafios de dancinhas e, apesar de não ter uma coreografia em comum que tenha contribuído para essa viralização, se tornou a trilha de vídeos de maquiagem, selfies, viagens, entre outros tópicos que, por tamanha variedade, permitiu que a faixa atingisse diferentes nichos.

Uma curiosidade é que, como conta a cantora, o hit quase ficou fora do disco. “É a música mais antiga de todas, deve ter uns quatro ou cinco anos. Eu achava que ela não era boa”, revelou Sena, que só mudou de opinião após ouvi-la finalizada sob a produção do músico Iuri Rio Branco: “Eu falei, ‘olha aí, a música apareceu. Chegou. Temos.’”

Antes do álbum “De primeira”, Marina era uma voz conhecida aos chegados no hit “Ombrim”, do projeto atualmente descontinuado que fazia parte, Rosa Neon. Com seu novo trabalho, a artista coleciona indicações ao Prêmio Multishow de Música Brasileira, concorrendo em quatro categorias (Álbum do Ano, Canção do Ano, Revelação do Ano e Experimente), e se torna também a nova queridinha do circuito de festivais brasileiros, presente na escalação de nomes como Coala Festival, Coquetel Molotov e Queremos. Definitivamente, o Brasil deitou para muito mais do que só seu sorriso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos