Como o mundo pode sair do isolamento imposto pelo coronavírus

Alexander Belenky

A Áustria se tornou o primeiro país europeu a traçar planos para começar a flexibilizar a política de isolamento imposta para conter o avanço do novo coronavírus, fornecendo um possível plano de como outros países podem começar a permitir que suas rotinas sejam retomadas quando a pandemia estiver em grande parte controlada.

“O objetivo é que, a partir de 14 de abril, (...) lojas menores de até 400 metros quadrados, bem como lojas de ferragens e jardins, possam abrir novamente, sob rigorosas condições de segurança, é claro”, anunciou o chanceler austríaco Sebastian Kurz em uma coletiva de imprensa na última segunda-feira (6). 

No dia 1º de maio, todas as lojas, shoppings e cabeleireiros também poderão ser reabertos. No entanto, será permitido que haja apenas um comprador por 20 metros quadrados de espaço comercial.

Restaurantes e hotéis não abrirão até meados de maio, e nenhum evento público será realizado até, no mínimo, o final de junho, disse Kurz.

“Reagimos mais rápida e restritivamente do que outros países e, portanto, pudemos evitar o pior”, disse Kurz. “Mas esta reação rápida e restritiva agora também nos dá a possibilidade de sair desta crise mais rapidamente.” 

Kurz e membros de seu gabinete chegaram à coletiva de imprensa usando máscaras, e o chanceler falou por trás de uma tela clara de proteção.

Mulher caminha em frente à Catedral de Saint Stephen, um dos pontos turísticos de Viena que costumava ser mais movimentado.

Há três semanas, a Áustria fechou escolas, bares, restaurantes, teatros e lojas não essenciais. O público foi avisado para não sair e para trabalhar de casa, se possível.

O “lockdown” ajudou a reduzir o aumento diário das infecções para 1,6%, segundo o ministro da Saúde, Rudolf Anschober. O número de pessoas nos hospitais se estabilizou. Até a segunda-feira, havia 12.206 casos confirmados e 220 mortes na Áustria.

Kurz advertiu que seu plano dependia da evolução da situação nos próximos dias e instou a população a continuar seguindo as restrições gerais de isolamento. Se os índices de...

Continue a ler no HuffPost