Como pequenas ações podem ajudar você a manter a calma

Manter a calma começa com entender o que você sente o que pode ser feito dentro das suas capacidades, naquele momento (Foto: Getty Creative)

Se você é do grupo de pessoas que pode ficar em casa no período de quarentena - e tem feito exatamente isso -, deve estar lidando com a montanha-russa emocional que é o distanciamento social. Pois é, bem vindo ao time! Manter a calma em casa tem sido um desafio para muita gente, afinal, estamos vivendo uma situação extrema, em que benefícios do home office ficam, muitas vezes, mascarados pela ansiedade e pelo medo do futuro. 

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário 

E vamos combinar que pedir calma num momento como esse também parece totalmente sem noção, certo? Entramos, aí, em uma verdadeira sinuca. A boa notícia é que tem saída - ainda bem! Conversamos com a psiquiatra Maria Francisca Mauro, da Associação Brasileira de Psiquiatria, para entender o que fazer para passarmos por essa fase com mais tranquilidade.  

1.Onde você está? 

Pense que você é um mapa e que a sua mente é um sinal de "Você está aqui". A psiquiatra explica que o primeiro passo para lidar com um momento de tamanha pressão externa é se localizar mediante o que está acontecendo lá fora. 

"A localização interna poderá mensurar quais são os desafios pessoais que este indivíduo está passando, seja emocional e/ou financeiro, para que possa perceber o que está ao seu alcance resolver e o que não depende de si próprio", explica ela. 

Esse é um caminho para ajudar você, antes de tudo, sair da sensação de confusão e começar a ter mais clareza para lidar com as diferentes questões. Maria explica que, a partir daí, é mais fácil buscar pequenas atitudes que podem melhorar o seu estado interno e colocar a mente na busca de soluções: seja arrumar a cama depois de acordar, seja se arrumar e sair do pijama para trabalhar home office.

"O 'manter a calma', portanto, consiste num exercício diário de superar os pensamentos ruins, as notícias trágicas e o cenário mais pesado para uma força construtiva", explica.

 Leia também

2. Investigue-se

De acordo com a psiquiatra, é normal também que em períodos de crise as pessoas negativas ou "reclamonas" passem a ser evitadas. A questão é, como todos estão mais sensíveis, é comum o emocional das pessoas se manifestar das formas mais variadas - até mesmo através de pensamentos e ações mais negativos, como reclamações e tristeza. 

Por isso, um exercício que a médica recomenda é a auto-investigação. A "calma interna", como ela chama, só pode ser encontrada através de uma auto-análise. "O exercício começa em perceber melhor o que causa desconforto; quais são pessoas que o deixam mais tenso; o que está deixando de fazer em casa/no trabalho que o deixa mais incomodado", diz. 

3. Estabeleça uma rotina

Sim, esse é o momento de ouro das rotinas. Se você pode ficar em casa durante o período de quarentena, a maneira mais eficiente de manter e buscar uma sensação de calma é estabelecer uma para você. Vale desde organizar a casa pouco a pouco todos os dias, até ter horários certos para comer, acordar e dormir, e separar o dia em horários de trabalho e outros de descanso. 

A rotina é o que reforça a sua capacidade de construção, por isso, funciona como uma âncora que mantém a sua mente focada, principalmente em momentos de crise. "Sentir propósito nas ações e conseguir realizá-las também ocasiona um bem-estar emocional", explica. "Você não precisa se propor a ser o novo prêmio Nobel da sua área, mas que comece lavando sua louça. Isso já garante aquela organização externa, que pode influenciar o estado mental interno."

4. Mexa o corpo

A ideia não é focar no que a atividade física pode fazer pelo seu corpo, mas pela sua mente. "O impacto do exercício físico, quando realizado de forma adequada, desencadeia mudanças até mesmo de fatores cerebrais responsáveis pelo bem-estar. Não é apenas uma impressão subjetiva, mas o exercício físico pode contribuir para uma melhora da saúde mental", explica Maria. 

É válido buscar a orientação de um profissional da área, como um personal trainer, para saber o exercício mais adequado para você. Em tempos de pandemia, você não precisa sair de casa nem para isso - muitos desses profissionais estão atendendo via videoconferência e aulas online estão sendo ministradas para as mais diferentes atividades. 

Ah, importante também lembrar que a atividade física segue sendo base para a auto-investigação. Se você sente qualquer tipo de desconforto durante as aulas, é importante perceber se tem relação com a dificuldade do exercício, o tipo de atividade (que, às vezes, pode não ser algo que você gosta), ou se é relacionado à alguma condição física pré-existente (como hipertensão ou diabetes). 

A meditação é um caminho para manter a mente mais tranquila (Foto: Getty Creative)

5. Considere meditar

O número de pessoas que falam sobre como a meditação é uma ferramenta poderosa para diminuir a ansiedade é infinito. Mas para quem nunca meditou antes, a atividade pode ser vista com certa resistência. 

Se você acredita que meditar pode ajudar você a controlar melhor o emocional, saiba: existem muitos tipos de meditação, inclusive alguns que são ativos e que não necessariamente exigem que você fique sentado em silêncio. Exercícios de respiração, escrever um diário e fazer ioga são práticas que levam a mente para um estado mais calmo, contemplativo e, de quebra, meditativo. Aplicativos, como o ‘Calm' ou o 'Headspace', podem ajudar também quem busca começar a meditação tradicional. 

Manter a calma em casa pode parecer impossível, mas reside nas pequenas ações. De acordo com a psiquiatra, as práticas de meditação e exercício físico estão super acessíveis para as pessoas que têm uma conexão de internet. Isso significa que é possível usar essa ferramenta para mudar o seu mal-estar emocional.  

"A consciência de suas sensações e desconfortos pode proporcionar um estado mental de tranquilidade", continua ela. Porém, fica o lembrete: se você estiver com uma sensação de "beco sem saída", se tiver muita dificuldade em manter a calma ou se sentindo muito mais tenso que o comum, considere buscar ajuda profissional.