Como essas mulheres perceberam que elas eram a parte tóxica no relacionamento?

Photo credit: Kateryna Shcherban / EyeEm - Getty Images
Crédito da foto: Kateryna Shcherban / EyeEm – Getty Images

Por Paisley Gilmour

Relacionamentos saudáveis ​​são, sem dúvida, difíceis de serem atingido e mantidos. Por quê? Porque nosso país está muito carente de educação sexual e educação social, então nós não aprendemos como manter relacionamentos saudáveis, nem como identificar quando o comportamento de alguém é perigoso ou prejudicial. A seguir, algumas mulheres explicam como descobriram que elas eram a parte tóxica no relacionamento:

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

“Eu era controladora e crítica”

“Percebi só depois do término do relacionamento. Eu estava pesquisando ‘sinais de abuso emocional’ e enquanto muitos se aplicavam ao meu ex-parceiro, muitos também se aplicavam ao meu próprio comportamento naquele relacionamento. A maioria por causa da minha forma de apego que chegava a ser exagerada. Eu era controladora e muita crítica em relação ao meu ex-parceiro. Acho que ler muitos livros sobre relacionamentos e estilos de apego me ajudou a perceber quando estou ansiosa, e assim consigo evitar agir de maneira doentia, no meu relacionamento atual.”

“Eu nunca expressei meus sentimentos”

“Eu fui muito abusiva no meu primeiro relacionamento. Eu tinha muita raiva e descontava na pessoa errada. Eu era imatura e não era autoconsciente. Eu era terrível no quesito comunicação e nunca expressei meus sentimentos. Eu não aprendi a expressá-los. Meu parceiro não era um santo, mas ninguém merece ser abusado. Eu aprendi com aquele relacionamento e comecei a me descobrir mais, e então eu disse a mim mesma que nunca iria tratar alguém assim de novo. Aquele relacionamento me fez perceber que tenho alguns problemas importantes, que precisam ser resolvidos antes de me jogar em um novo relacionamento”.

“Meus mecanismos de defesa eram abusivos”

“Eu estava fazendo terapia para tentar resolver o problema antes de desistir do meu casamento, e minha terapeuta comentou que meu ex era abusivo, mas eu também havia desenvolvido alguns mecanismos de defesa que eram abusivos, para retaliar o abuso. É uma espécie de comportamento que se aprende com o outro, e é uma maneira de se proteger, mas é parte da razão pela qual a terapia é importante para as vítimas de abuso. Você tem que aprender a quebrar esse ciclo.”

Photo credit: Getty Images
Crédito da foto: Getty Images

“Eu manipulava a situação”

“Meu ex era extremamente inseguro, obcecado e analisava tudo o que eu fazia. Minha reação, por fim, era manipulá-lo, esconder tudo e mentir para deixá-lo mais tranquilo. Eu justificava esse meu comportamento para mim mesma, porque eu não estava fazendo nada de errado escondido. Eu era muito fiel e o respeitava muito, mas ele simplesmente não tinha confiança em mim, então aquilo foi a minha única opção para manter a paz no namoro. Nós terminamos e no começo foi como me livrar de um vício. Nunca me senti tão livre, leve e aliviada em toda a minha vida”.

“Eu fazia drama e flertava com outras pessoas”

“Eu só percebi o meu próprio comportamento tóxico após o término do meu relacionamento. O relacionamento seguinte foi para superar meu ex, mas não funcionou. Percebi que outras pessoas não iriam perdoar minhas birras e o fato de eu flertar com outras pessoas tão facilmente como o meu ex perdoava – isso foi um choque de realidade. Eu aprendi a apreciar tudo que ele tinha feito por mim e reconhecer que eu havia aprendido muito com ele.”

“Um amigo me disse que eu estava errada sobre as razões para ter terminado aquele relacionamento, algumas das quais eram superficiais. Eu tinha motivos legítimos para querer terminar, mas sei que eu também comparava o meu relacionamento com o de outras pessoas e queria estar com alguém ‘melhor’. Outro amigo meu apontou o fato de que eu tinha começado a fumar maconha em excesso e que meu ex tinha o direito de se sentir inseguro depois de saber que eu havia flertado com outras pessoas. Foi basicamente o fato de eu não ter me comprometido de verdade com aquele namoro, combinado com um pouco de temperamento difícil que eu tinha, ao invés de resolver a raiz dos meus problemas… ”

Photo credit: Getty Images
Crédito da foto: Getty Images

“Eu era muito insegura e não acreditava que ele me queria”

“Eu era muito ruim durante o meu primeiro e longo relacionamento, quando estava com meus 20 e poucos anos. Eu era muito insegura e não acreditava que meu ex queria estar com alguém como eu. Então, quando ele estava conversando com as amigas, ou queria sair à noite com alguns amigos, eu me tornava horrivelmente controladora mandando uma mensagem atrás da outra, perguntando onde ele estava e com quem. Eu inventava cenários loucos em minha mente ciumenta. Não importava quantas vezes ele dissesse que gostava da minha aparência ou me elogiasse, eu nunca acreditava nele e sempre queria mais e mais de sua aprovação.

Eu tornava impossível para ele conseguir saber o que dizer para me deixar feliz. Depois que o relacionamento terminou, eu fiquei furiosa. Então acabei me cansando de ficar com pena de mim mesma e me humilhar, e passei a me vestir melhor, prestei mais atenção no que eu comia, me tornei mais amorosa e aprendi a aceitar minhas falhas, parei de me comparar com outras mulheres o tempo todo. E o mais importante, eu fiquei solteira por um ano até ter certeza de que não me comportaria tão mal no meu próximo relacionamento”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos