Mãe revela como é criar um bebê durante a quarentena

Três anos atrás, antes do isolamento ser algo necessário, eu fiquei em isolamento. Por cinco dias. Com o meu bebê recém-nascido.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentários

Felizmente, o coronavírus não estava em cena como hoje em dia para muitos pais novatos, mas menos de 24 horas depois do nascimento, meu marido e meu filho tiveram um caso grave de gastro. Eles foram proibidos de entrar no hospital, deixando minha filha de 18 horas e eu, sozinhas, com apenas uma parteira aparecendo de vez em quando para verificar.

Leia também

No começo, fiquei perturbada. Como meu marido se relacionaria com ela? Meu filho de dois anos ainda nem conhecia sua nova irmã. Ele pensaria que eu o deixei para trás por um novo bebê? Como eu conseguiria, sem ninguém para ajudar, me virar por cinco dias inteiros? Nós deveríamos estar em uma pequena bolha da família, e aqui estava eu, sozinha, em uma sala com um bebê pequeno que eu ainda nem conhecia.

Como é ter um bebê em isolamento. Foto: Fornecida

Meu médico ouviu carinhosamente minha angústia emocional antes de explicar a situação de forma simples. Se um bebê minúsculo tivesse contato com a mesma doença que houvesse abatido um homem adulto, isso colocaria sua vida em risco. Então era isso. E com a minha aceitação da situação, veio uma espécie de calma.

Em vez de ter que fazer malabarismos com um bebê recém-nascido e uma criança potencialmente ciumenta, eu poderia aproveitar o tempo para me concentrar totalmente em conhecer meu bebê - algo quase inédito para as mães de segunda viagem. Em vez de receber visitas, eu podia controlar quando e com quem falava. Se não queria falar, simplesmente não atendia o telefone.

Pela primeira vez, dormi quando o bebê dormia e me senti muito melhor por isso. Deitei com ela no meu peito e ouvi a sua respiração. Cantei para ela quando trocava sua fralda, sem me preocupar em perturbar alguém dormindo. Apagava as luzes e lia um livro enquanto ela estava deitada em mim. Tirei um milhão de fotos dela e a deixei ouvir a voz do meu marido e filho no viva-voz. Não precisava compartilhá-la com ninguém. Em suma, tive tempo de me apaixonar por ela.

Depois de cinco dias, recebemos alta. A primeira coisa que meu marido disse quando chegou para nos buscar foi "você parece estar descansada". E eu estava. Mesmo depois de um parto complicado, e a preocupação de não estar com o resto da minha família, aqueles poucos dias foram inesperadamente pacíficos. As coisas com as quais me preocupei acabaram não importando.

A primeira vez que meu marido conheceu nossa filha. Foto: Fornecida

Assim que meu marido segurou nossa filha pela primeira vez, ela se aninhou nele e adormeceu. Três anos depois, eles se amam. Meu filho estava mais interessado em me mostrar seu carrinho novo do que em saber por onde eu estive. Hoje, ele nem se lembra que eu não fiquei em casa durante alguns dias.

Portanto, para os pais que estão enfrentando isolamento com um recém-nascido, a situação pode não ser o que você esperava. Mas, desde que você esteja seguro e bem, aproveitar a tranquilidade desse tempo pode ser muito melhor do que você já imaginou.

A primeira vez que a família esteve completa. Foto: Fornecida

Katherine Chatfield