Como a pandemia de coronavírus está afetando a busca por emprego

Diversas empresas estão entrevistando candidatos por vídeo, online, por causa da pandemia de coronavírus. (Getty)

Geralmente, o primeiro trimestre do ano é um dos períodos mais ativos para recrutamentos. É nessa época que as empresas definem seus orçamentos e planos de negócios para o ano. O surgimento de novas vagas de emprego é maior nos primeiros meses do ano, e o processo de contratação costuma ser finalizado perto do começo de abril.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

No entanto, devido à pandemia de coronavírus, empresas de todo o mundo estão começando a mandar seus funcionários para casa, ou transferindo-os para áreas menos populosas, eventos estão sendo cancelados ou adiados, e algumas firmas estão emitindo políticas severas, vetando a presença de visitantes externos.

Leia também

Tudo isso, sem dúvida, terá um grande impacto no processo de recrutamento. As gigantes globais da tecnologia e alguns dos empregadores mais prolíficos do mundo — Google, Amazon, Facebook e LinkedIn — afirmaram estar conduzindo entrevistas online por causa do surto de coronavírus.

“Líderes de todo o mundo terão metas de headcount para atingir nesse trimestre, então provavelmente a situação não vai afetar o número de novas contratações, embora o prazo para sua finalização deva sofrer um atraso,” disse Darren Burns, diretor de operações da consultoria global de recrutamento de serviços profissionais Morgan McKinley, ao Yahoo Finance UK.

“Vimos várias empresas fecharem para que seus escritórios passassem por uma limpeza profunda, e alguns clientes estão mandando seus funcionários para casa, para testar infraestruturas remotas. Isso, como consequência, atrasa as entrevistas de novos candidatos em cerca de uma semana”.

Burns acrescentou que provavelmente haverá um grande foco no recrutamento virtual – com entrevistas realizadas por Google Hangouts ou Skype. Ele afirma que embora essa prática seja muito comum, “ela acaba adicionando outra fase ao processo, já que os candidatos são avaliados pelo telefone antes de serem selecionados para uma entrevista presencial”.

Candidatos a cargos mais altos sempre passam por uma entrevista presencial em algum momento. Elas também são essenciais para empresas de recrutamento, que podem ganhar cerca de U$100 mil em taxas por posicionar executivos seniores no mercado financeiro, por exemplo.

Embora a pandemia de coronavírus não tenha atingido o seu auge e os efeitos provocados nas fortunas das empresas ainda não sejam conhecidos, Burns alerta que existe a possibilidade de que ocorra uma redução no número de vagas devido às alterações no lucro das organizações.

“Minhas maiores preocupações são mais com o fechamento de mais clientes e a pressão dos colegas para que outras empresas sigam o exemplo. Muitas já fecharam – uma mistura de empresas de serviços financeiros, comércio e tecnologia – sem tendências de setor, mas grandes empresas fecharam seus escritórios e/ou seus funcionários estão trabalhando de casa,” disse Burns.

“Se houver uma reação em cadeia de funcionários trabalhando de casa, isso vai desacelerar o número de contratações em março e no começo de abril, o que terá um impacto significativo na indústria de recrutamento. É cedo demais para prever uma queda no setor. Eu realmente espero que isso não aconteça. O começo desse ano tem sido positivo para contratações permanentes e continua desafiador para temporários por causa do IR35 [legislação tributária anti-evasão do Reino Unido], mas em geral, com o Brexit, estávamos esperando um ambiente mais estável. Agora, parece que o segundo trimestre vai ser imprevisível”.

Lianna Brinded

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.