Comissão apresenta queixa-crime contra Mario Frias por incêndio na Cinemateca

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***FOTO DE ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 10.11.2020 - O secretário de Cultura, Mário Frias. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 10.11.2020 - O secretário de Cultura, Mário Frias. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Comissão de Cultura da Câmara aperta o cerco contra Mario Frias em duas frentes. Nesta terça, o colegiado entrou com uma queixa-crime contra o secretário especial da Cultura por causa do incêndio na Cinemateca Brasileira. Além disso, pediu ao Tribunal de Contas da União uma auditoria nas ações da secretaria liderada pelo ex-ator de "Malhação".

Sobre o incêndio que destruiu toneladas de documentos e fez desabar o teto do depósito da Cinemateca, em São Paulo, o texto endereçado ao Ministério Público diz que "o que poderia ser mais um grande infortúnio tem um componente de negligência e descaso das autoridades federais, que vêm ignorando a necessidade tanto de investimentos quanto da preservação do patrimônio cultural do país, notadamente em relação à Cinemateca Brasileira."

A queixa-crime é assinada por 14 deputados --dentre os quais Alice Portugal, do PCdoB da Bahia, David Miranda, do PSOL do Rio de Janeiro, e Túlio Gadêlha, do PDT de Pernambuco-- e pede a instauração de um inquérito para apurar uma possível improbidade administrativa por parte do Estado em relação à manutenção da Cinemateca e também que o MPF instaure uma investigação criminal independente da que está sendo feita pela Polícia Federal.

Já o pedido de auditoria demanda do TCU uma ampla fiscalização das atividades da Secretaria Especial da Cultura e afirma que o órgão alinha o setor da cultura "a um projeto ideológico autoritário, voltado para retirar da pauta a diversidade cultural e a liberdade de criação e pensamento daqueles que não se alinham com os valores propostos pelo atual governo".

O documento lista seis pontos a serem auditados, dentre os quais se o atual número de funcionários do órgão é suficiente para o cumprimento de suas tarefas, se é possível identificar censura a projetos inscritos na Rouanet, quais impactos no setor cultural a redução de orçamento na área está tendo e por que o edital de chamamento da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura, a Cnic, ainda não foi publicado.

A Cnic é um colegiado com membros da sociedade civil que avalia e dá decisões finais sobre quais projetos culturais estão aptos ou não para captar verbas via renúncia fiscal, e sua última reunião foi em março.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos