"Comer pouco e malhar muito não é relação saudável com a comida", afirma Sophie Deram

·4 minuto de leitura
Sophie Deram desvenda mistérios das dietas em
Sophie Deram desvenda mistérios das dietas em "Os 7 Pilares da Saúde Alimentar" (Foto: Divulgação)

Em seu primeiro livro e best seller, "O Peso das Dietas", a engenheira agrônoma e nutricionista Sophie Deram, doutora pelo Departamento de Endocrinologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), mostrou por que as dietas restritivas não funcionam e podem até abrir espaço para o desenvolvimento de transtornos alimentares. Se a dieta não é a resposta para uma relação saudável com a comida, qual seria?

Mas se a resposta não é a privação, qual seria então? É isso que a especialista procura responder em seu novo livro, "Os 7 Pilares da Saúde Alimentar", da editora Sextante.

Leia também:

"Para um emagrecimento saudável e sustentável, não basta fechar a boca e malhar. Há sete pontos importantes a serem olhados e avaliados no processo", afirma Sophie.

A seguir, ela lista quais são os sete pilares que podem construir esse caminho saudável para o emagrecimento e/ou a manutenção do peso.

  • Faça as pazes com seu corpo

"Comer não deveria preocupar você o tempo todo. Se sua vida gira em torno da comida e do seu corpo, procure ajuda", escreve Sophie em uma passagem do seu novo livro.

  • Cuide do seu cérebro; ele controla tudo

"Emagrecer é uma neura da sociedade atual. O peso não é uma escolha. Nosso corpo não é uma massa de modelar. Nosso peso é decidido pelo cérebro. Se você emagrecer muito rápido, ele vai se assustar", afirma a nutricionista.

  • Pense sustentável, não tenha pressa

Sophie afirma que seu novo livro foi pensado para ser um companheiro e um aliado para que o indivíduo mude sua relação com a comida. "Mas é preciso entender que mudanças não acontecem do dia para a noite", comenta ela. A especialista ainda cita que, segundo estudos importantes da área, mostram que 95% das pessoas que fizeram dietas restritivas vieram a engordar logo na sequência.

  • Respeite sua fome e viva no presente

"A nutrição tem focado só na parte biológica de comer, esquecendo que o ser humano se nutre de alimentos e de sentimentos A gente não come só para se nutrir, por isso é preciso ter um olhar maior para o ato de comer, ele também é psicológico", diz a nutricionista. Por isso, ela incentiva a pessoa a aprender a distinguir a fome que está sentindo: ela é fisiológica ou emocional?

E Sophie acrescenta: "A fome psicológica não é necessariamente ruim. Diante do bolo da sua avó, você vai querer comer, mesmo sem estar com fome".

  • Coma melhor, não menos!

"A maioria das pessoas está terceirizando a própria fome, deixando nas mãos da nutricionista, da vizinha, do médico, a decisão sobre o que pode ou não comer", fala a especialista, reforçando que isso faz com que se perca a autonomia alimentar.

E comer melhor, na opinião de Sophie, é comer mais comida fresca e caseira. "Ao fazer isso, o emagrecimento vem de forma natural, não porque você cortou alimentos", explica Sophie. Ela ainda afirma que a expressão peso ideal é uma invenção. O que existe é o peso saudável e ele é diferente para cada pessoa.

Para a especialista, os profissionais da saúde limitaram ser saudável à balança, quando não é bem assim. "Há pessoas gordas que são saudáveis e pessoas magras que não são."

  • Alimente-se de outras energias

"É importante parar de se concentrar somente no que comer (ou não comer) e de pensar no exercício como método para queimar as calorias ingeridas", escreve Sophie em seu novo livro.

Para ela, hobbies e atividades físicas que tragam satisfação e não pressão ajudam a desviar o foco da comida. Encontros com os amigos – com os necessários cuidados por causa da pandemia – e mesmo sessões de massagem ajudam a pessoa a se "alimentar"de outras coisas.

  • Cozinhe e celebre a comida

"Cozinhando, ou podendo contar com alguém que cozinhe para você, você acaba comendo mais alimentos frescos e menos industrializados", escreve a nutricionista em outra passagem do livro "Os 7 Pilares da Saúde Alimentar".

Para a especialista, a atividade é ótima para compartilhar com as crianças, com o companheiro ou companheira ou amigos. E fazer as refeições com outras pessoas ajuda a comer mais devagar prestando atenção na sensação de saciedade.

Ao longo da sua nova obra, Sophie vai dando dicas para que o leitor comece a colocar em prática os sete pilares listados acima. "Eu a escrevi para empoderar as pessoas. Comece pelo pilar que faz mais sentido para você", finaliza a nutricionista.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos