Comer alimentos da safra pode melhorar sua saúde e seu bolso

Produzidos fora da época adequada, frutas e legumes consomem mais água, fertilizantes e agrotóxicos para seu cultivo (Foto: Getty Images)

Por Cristiane Capuchinho

Nos supermercados de áreas urbanas é possível comprar tomate, pimentão, maçã e outros legumes e frutas praticamente o ano inteiro, mesmo quando não estamos na safra. A prática que, à primeira vista, parece um benefício da vida moderna, tem impacto negativo no preço dos alimentos, no meio ambiente e na saúde do consumidor.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Produzidos fora da época adequada, frutas e legumes consomem mais água, fertilizantes e agrotóxicos para seu cultivo. A consequência direta são produtos mais caros, com menos sabor, mais pobres em nutrientes e com potencial para mais resíduos de agrotóxicos.

Leia também

“Frutas e legumes cultivados em locais ou estações que não as mais propícias para seu desenvolvimento geralmente necessitam de pesticidas e fertilizantes para que tenham condições suficientes para se desenvolver”, detalha Larissa Yumi Kuroki, coordenadora de conteúdos e metodologias do Instituto Akatu, organização que promove o consumo consciente.

Na pesquisa desenvolvida em seu mestrado na USP (Universidade de São Paulo), a cientista de alimentos Jacqueline Gerage Marques analisou se a dieta do brasileiro ultrapassava o limite máximo de ingestão de agrotóxicos. Para isso, ela usou como base uma lista de 743 itens alimentares identificados pelo IBGE na pesquisa de orçamentos familiares.

O estudo apontou que 68 dos 283 agrotóxicos considerados eram consumidos em quantidade maior do que o limite considerado aceitável pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Acima da dose máxima recomendada, a agência informa que a ingestão ao longo da vida pode causar danos à saúde.

Apesar de processos de lavagem, descascamento e cozimento dos alimentos poderem reduzir os resíduos dos agrotóxicos, que podem estar não apenas na casca ou serem parte constituinte do alimento, a cientista destaca que há poucos estudos sobre a redução das substâncias químicas neste processamento e nem sempre é possível “alcançar níveis seguros” para a saúde.

Entre 2007 e 2015, 560 casos de intoxicação por ingestão de alimentos com agrotóxicos foram notificados, de acordo com o Relatório Nacional de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos, produzido pelo Ministério da Saúde.

Para evitar a ingestão de agrotóxicos, a Anvisa recomenda a compra de alimentos orgânicos e frutas e legumes da época, “que costumam receber carga menor de agroquímicos”.

Os produtos de época também são mais ricos nutricionalmente que os consumidos fora de seu tempo que, em geral, passaram por um período de armazenamento em estufas ou geladeiras em que perdem parte de seu potencial nutritivo.

Além da qualidade do alimento, a compra de frutas e legumes fora de sua sazonalidade tem consequências claras no bolso. No momento da safra, os alimentos caem de preço, facilitando sua entrada na dieta alimentar da família.

Nos últimos 12 meses, por exemplo, o preço do brócolis em São Paulo variou 175%, conforme o período de oferta. A cenoura teve uma diferença de preço de 146% entre seu período de safra alta e baixa. Já o tomate, teve uma alteração ainda maior, com um preço quase quadruplicado no momento de baixa safra (diferença de 275%), segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento.

Por que comer frutas e verduras?

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o consumo diário de 400 gramas de frutas, legumes e hortaliças para garantir uma alimentação saudável. A orientação não é seguida pela maioria dos brasileiros em suas dietas, de acordo com a última Pesquisa Nacional de Saúde, que mostra que 62,7% da população adulta não come as cinco porções de legumes frescos recomendadas internacionalmente.

Em um estudo publicado em 2017, pesquisadores da Imperial College London analisaram os hábitos alimentares de 2 milhões de pessoas, e histórico de casos de doenças cardíacas, câncer e mortes prematuras.

O estudo concluiu que aqueles que ingerem 200 gramas de alimentos frescos por dia tem 13% menos chances de doenças cardiovasculares, em comparação com quem leva uma dieta sem frutas, legumes e verduras. A proteção é ainda maior para quem consome 800 gramas de frutas, verduras e legumes diárias, que tem 24% menos risco de doenças cardiovasculares.

A dieta adequada reduziu também o risco de desenvolver câncer --4% menor para quem consome 200g de frutas e legumes por dia e 13% menor para 800g-- e de morte prematura – risco 15% menor para quem come 200g de frutas e legumes diários e 31% menor para quem tinha uma dieta com 800g de alimentos frescos.

Confira abaixo o calendário com o pico da safra das principais frutas, legumes e verduras

Janeiro

Frutas: abacaxi, banana, carambola, cupuaçu, figo, goiaba, jaca, laranja, limão maracujá, melancia, melão e uva

Legumes: beterraba, jiló, pimenta cambuci, pimentão, quiabo, tomate

Hortaliças: alface, taioba

Fevereiro

Frutas: abacate, banana, carambola, figo, goiaba, limão, maçã gala, maracujá, pera, seriguela, uva

Legumes: abóbora seca, abobrinha, beterraba, pimenta cambuci, quiabo, tomate

Hortaliças: alface, chicória, repolho, taioba

Março

Frutas: abacate, banana, caqui, figo, goiaba, limão, maçã gala, pera, uva

Legumes: abóbora japonesa, abóbora seca, abobrinha, beterraba, chuchu, pepino, pimenta cambuci

Hortaliças: acelga, alface, almeirão, catalonha, chicória, escarola, espinafre, mostarda, repolho, rúcula, taioba

Abril

Frutas: abacate, atemoia, caqui, figo, maçã gala, limão

Legumes: abóbora japonesa, abóbora seca, abobrinha, chuchu, jiló, pepino, tomate

Hortaliças: acelga, chicória, repolho, rúcula, taioba

Maio

Frutas: abacate, atemoia, caqui, carambola, maçã gala

Legumes: abóbora japonesa, abobrinha, chuchu, ervilha torta, jiló, rabanete, mandioquinha

Hortaliças: agrião, chicória, couve, espinafre, mostarda, repolho, taioba

Junho

Frutas: abacate, atemoia, banana, carambola

Legumes: abóbora japonesa, abóbora seca, abobrinha, ervilha torta, rabanete, mandioquinha

Hortaliças: almeirão, agrião, couve, espinafre, repolho

Julho

Frutas: atemoia, carambola, morango

Legumes: abóbora japonesa, ervilha comum, ervilha torta, mandioquinha

Hortaliças: agrião, almeirão, brócolis, couve, couve-flor, mostarda

Agosto

Frutas: atemoia, carambola, laranja, maçã fuji, mexerica, morango

Legumes: abóbora japonesa, abobrinha, cenoura, ervilha comum, ervilha torta, mandioquinha, rabanete

Hortaliças: agrião, brócolis, catalonha, couve, couve-flor, erva-doce, espinafre, mostarda, repolho

Setembro

Frutas: caju, jabuticaba, laranja, mamão, maçã fuji, mexerica,

Legumes: abobrinha, alcachofra, beterraba, cenoura, chuchu, ervilha comum, ervilha torta, jiló, rabanete

Hortaliças: agrião, almeirão, aspargo, brócolis, catalonha, couve, couve-flor, erva-doce, espinafre, mostarda

Outubro

Frutas: acerola, banana, caju, jabuticaba, laranja, maçã fuji, mamão, melão, mexerica, nectarina

Legumes: abóbora, abobrinha, alcachofra, beterraba, cenoura, chuchu, maxixe, tomate, rabanete

Hortaliças: agrião, almeirão, brócolis, catalonha, couve-flor, espinafre, rúcula

Novembro

Frutas: acerola, amora, jaca, laranja, maçã fuji, mamão, manga, melão, nectarina

Legumes: abobrinha, berinjela, beterraba, cenoura, maxixe, pepino, rabanete, tomate

Hortaliças: almeirão, aspargo, brócolis, escarola, espinafre, mostarda

Dezembro

Frutas: ameixa, amora, laranja, limão, maçã fuji, manga, melão, nectarina, pêssego, uva

Legumes: cenoura, maxixe, pepino, pimentão, rabanete, tomate

Hortaliças: alho-porró, aspargo, brócolis, endívia, erva-doce, mostarda, rúcula, salsão

Fontes: "Na cozinha com as frutas, legumes e verduras", produzido pela UFMG para o Ministério da Saúde; Ceagesp; Instituto Akatu