“Combater a desigualdade é bom pra todo mundo, não só pra quem é da periferia”, aponta Guilherme Boulos

Anita Efraim
·3 minuto de leitura
Guilherme Boulos em sabatina na rádio CBN (Foto: Reprodução/YouTube)
Guilherme Boulos em sabatina na rádio CBN (Foto: Reprodução/YouTube)

Para Guilherme Boulos (PSOL), candidato à prefeitura de São Paulo, alegou que o combate às desigualdades sociais é benéfico também para a elite paulistana.

“Parte da elite paulistana, e não é a maioria, uma parte da elite paulistana ainda pensa com uma cabeça que naturaliza desigualdade social. Normaliza o fato de a gente ter a maior população de rua do mundo. 25 mil pessoas morando na rua e isso é considerado parte da paisagem”, disse Boulos em entrevista à rádio CBN.

Leia também

Boulos entende que parte relevante da elite da cidade de São Paulo se importa com a pauta e lembrou que recebeu muitos votos em bairros de classe média alta. O candidato ressaltou que a diminuição da desigualdade social beneficia todas as classes sociais.

“Combater a desigualdade é bom pra todo mundo, não só pra quem é da periferia. Combater a desigualdade é bom também pra quem hoje vive melhor na cidade, mas tem medo de parar o carro no semáforo e ser assaltado, tem medo do filho andar na praça da esquina. Diminuir a desigualdade social é com para a convivência na cidade”, ressaltou.

“Eu não aceito a naturalização disso. Eu quero ser prefeito de São Paulo para combater esse abismo social”, afirmou.

Questionados sobre propostas para a classe média, Boulos citou a melhoria de ruas e calçadas na cidade de São Paulo, ajuda aos microempresários e linhas de crédito.

Eleições em São Paulo

São Paulo é o maior colégio eleitoral do Brasil com quase 9 milhões de pessoas aptas a votar. Com 32.85% dos votos válidos no primeiro turno, Bruno Covas (PSDB) enfrenta Guilherme Boulos (PSOL) que teve 20.24% dos votos válidos..

Covas é prefeito da cidade desde 2018, quando assumiu após o prefeito eleito João Doria (PSDB) deixou o cargo para disputar — e ganhar — o Governo do Estado. Foi Bruno quem esteve à frente da cidade na pandemia do coronavírus.

Já Boulos ficou nacionalmente conhecido em 2018, quando foi candidato do PSOL à presidência. Conhecido por sua atuação com o MTST, ele é professor e concorre pela primeira vez ao cargo. Sua vice, Luiza Erundina, foi prefeita de São Paulo no final da década de 1980.

Eleições municipais em todo país

As Eleições 2020 moveram praticamente todo país neste domingo. Por conta do coronavírus, essa foi uma eleição diferente, com horários estendidos e mais critérios de segurança sanitária.

Uma questão que levanta muitas dúvidas ao longo processo é o famoso coeficiente eleitoral. Bem resumidamente, é a divisão do número de eleitores pelo número de vagas (nós explicamos com detalhes AQUI). Cada cidade, então, tem seu coeficiente eleitoral.

Caso não esteja presente na cidade onde você está apto para votar, é possível justificar seu voto. Para saber como, siga nosso guia clicando AQUI.

O que faz um prefeito?

O Estado se divide em três poderes o Executivo, Legislativo e Judiciário, e o prefeito é o chefe do Poder Executivo. Ou seja, é responsabilidade do prefeito administrar a cidade que exerce suas funções. Para mais detalhes da função CLIQUE AQUI e para saber quanto ganha um prefeito, CLIQUE AQUI.