Com parto filmado, Justiça alega que Shantal não tem provas suficientes contra médico Renato Kalil e rejeita denúncia

A Justiça de São Paulo rejeitou a denúncia do Ministério Público contra o Renato Kalil. Segundo a decisão, não há provas para seguir com ela. O médico foi acusado de violência obstétrica durante o parto da segunda filha de Shantal Verdelho. A denúncia do MP acusava o médico de ter cometido lesão corporal leve e violência psicológica contra a influenciadora.

A questão de Shantal com Renato Kalil veio à tona após o vazamento de um áudio que a influenciadora mandou a um grupo de amigas. Nele, ela se assusta após rever o vídeo do parto de sua filha Domênica, no dia 13 de setembro. Segundo a esposa de Mateus Verdelho, o ginecologista Renato Kalil disparou palavrões e xingamentos à influenciadora digital enquanto ela dava à luz.

Na decisão divulgada nesta segunda-feira (31), o juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira, da 25ª Vara Criminal de São Paulo, afirma que faltam provas que justifiquem no processo a imputação dos crimes alegados pela promotoria contra o obstetra.

"Segundo nossa opinião, não se verifica a existência de um fundado motivo (justa causa) para o desenvolvimento de uma ação penal, até o momento, não existindo provas da ocorrência de crimes imputados, do que decorre a rejeição da ação penal...

Veja mais


Veja também

Mateus Verdelho conta motivo de não ter reagido aos xingamentos de Renato Kalil a Shantal durante parto
Duda Reis rebate notícia de que polícia não encontrou provas contra Nego do Borel: 'Nada procede'
Su Tonani explica por que não seguiu com denúncia contra José Mayer: 'Inibida'