Com coleção agênero, Yarley busca redefinir masculinidade: "O que é ser homem?"

Yarley lança coleção de peças agênero. Foto: Divulgação/Reprodução/Youtube
Yarley lança coleção de peças agênero. Foto: Divulgação/Reprodução/Youtube

Resumo da notícia:

  • Yarley lança coleção de peças agênero na tentativa de quebrar padrões da masculinidade

  • Em entrevista ao Yahoo, influenciador questiona o que é ser homem

  • Cearense é um dos indicados ao People's Choice Awards de Influenciador do Ano no Brasil

Com humor desconstruído e livre de padrões, Yarley vem conquistando cada vez visibilidade ao tentar quebrar padrões da masculinidade e falar abertamente sobre autoestima. Indicado ao People's Choice Awards de Influenciador do Ano no Brasil, o cearense de 22 anos agora lança a "SLAMB + Yarley". Com peças agênero, ele se junta ao renomado estilista Amir Slama em uma colaboração que traz camisetas para adultos e crianças, além de croppeds e babydolls.

Disponível na Farfetch, no site SLAMB e na loja física SLAMA, na capital paulista, a partir desta quarta-feira (30), a coleção coroa a representatividade do influenciador gay, gordo e nordestino com a leveza de sua comédia. Em entrevista ao Yahoo, Yarley defende a importância de se libertar de amarras sociais do que se deve vestir, assim como nomes como João Guilherme e Vitão tem feito ultimamente.

"Roupa, para mim, nunca foi título de gênero. Roupa é para ser usada. Tem a ver com a sua identidade visual, o que te representa. Principalmente, estilo e conforto. Prezo muito por isso: pelo que eu gosto e me identifico", inicia.

Sem deixar de exibir suas unhas postiças, ele explica que não enxerga a moda como o que é feminino e masculino além de ter se envolvido com a pauta agênero antes mesmo de se dar conta do que isso significa. "Roupa tem a ver com liberdade do que eu gosto de vestir. A gente vive numa sociedade que o preconceito é estrutural desde quando a gente nasce, quando o menino que tem ter o quarto todo azul e a menina com tudo rosa. Não existe isso de azul é do menino e rosa da menina", reflete.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"Se eu quiser usar rosa, azul, roxo, lilás, eu uso o que eu quiser e isso não define quem eu sou, quero ser, o que eu acredito. A cor é para você brincar, usar, abusar, se divertir”, completa.

Questionado sobre o comportamento de famosos em relação a essa quebra de paradigmas, Yarley reforça o quanto a visibilidade é uma forma de fazer o público se identificar. "As pessoas se sentem representadas de alguma forma, seja pelas roupas, pela forma de falar, de gesticular. Ter pessoas relevantes falando sobre isso, ocupando da forma que se sentem confortáveis é de extrema importância”, afirma.

Peças da coleção
Peças da coleção "SLAMB + Yarley". Foto: Divulgação

No combate à masculinidade frágil, reforçada por conceitos machistas, o influenciador ressalta que não se enxerga menos homem ao descontruir padrões da sociedade patriarcal. “A pergunta que eu faço é ‘O que é ser homem?'. Eu sou homem e bato no peito. Para mim, ser homem vai muito além de uma roupa, uma regata, uma bermuda e um sapato", explica.

Ser homem é sobre o que eu acredito, os meus ideais, de onde eu vim, aonde eu quero chegar. Sobre o meu caráter, o que eu sou dentro de casa, com a minha família, com meus amigos. Roupa não define o que eu sou, roupa passa uma mensagem do que a pessoa quer falar para você”Yarley

Vale ressaltar que parte do valor das vendas da coleção encabeçada por Yarley será revertida ao hospital filantrópico infantil Sopai, de Fortaleza, no Ceará. Inclusive, o famoso babydoll roxo usado pelo blogueiro em muitos de seus conteúdos estará disponível no catálogo. A peça ficou marcada como símbolo do cearense nas redes sociais e vai muito além de uma camisola no corpo de um homem.

"O vestido roxo tem um símbolo especial de empreender, de conseguir enxergar uma fonte de criar algo novo. Além de ser um produto do Yarley que vai ser lançado, tem um valor muito sentimental. Pude olhar ali e criar algo, inovar e colocar identificação na cabeça das pessoas. Todo mundo quer a camisola roxa porque tem um símbolo de alegria”, conclui.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.