Com casos de covid-19 em alta, Hospital Albert Einstein deixa de receber pacientes de outros estados

·1 minuto de leitura
A researcher works at the special techniques laboratory where a genetic test was developed to diagnose the new coronavirus, COVID-19, at Albert Einstein Israelite Hospital, in Sao Paulo, Brazil, on May 28, 2020. - The Israelite Albert Einstein Hospital in Sao Paulo developed a genetic methodology to detect covid-19 that, it says, could exponentially expand the diagnostic capacity of Brazil, where the lack of tests makes it difficult to combat the pandemic. (Photo by NELSON ALMEIDA / AFP) (Photo by NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)
Hospital Albert Einstein mostra preocupação com ocupação de leitos de UTI em São Paulo (Foto: Nelson Almeira/AFP via Getty Images)

Em meio a segunda onda da covid-19 no Brasil, o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, bloqueou a entrada de pacientes de outros estados. Segundo informações da Folha de S. Paulo, a ideia é priorizar São Paulo, onde os leitos estão cada vez mais ocupados.

Quando o Brasil teve uma queda no número de casos, há alguns meses, pacientes de outras regiões chegaram a representar 25% da ocupação dos leitos de UTI do Albert Einstein.

Um dos pacientes que foi ao Einstein para ser atendido foi Maguito Vilela, prefeito eleito de Goiânia, que faleceu em decorrência da covid-19.

Leia também

O presidente do hospital, Sidney Klajner, explicou a decisão: “Sempre atendemos pessoas de todo o Brasil. Mas precisamos nos preocupar para que não faltem leitos par a nossa comunidade, que é São Paulo”, declarou.

Com os números de casos em alta, o governo do estado de São Paulo antecipou para sexta-feira, 15, o anúncio de reclassificação do Plano São Paulo. Algumas regiões do estado devem regredir de fase. A ocupação de leitos de UTI na rede estadual está em 66,3%, enquanto na Grande São Paulo o índice chega a 67,7%.