Com cara de musical Disney, Tick, Tick... Boom! é um dos grandes acertos da Netflix em 2021

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Tick, Tick... Boom! é daqueles musicais para quem ama o gênero, mas quase que proibido para quem não curte. Lógico que podem haver exceções, mas o filme de Lin Manuel Miranda (Hamilton) é do tipo que bota os personagens para cantar do nada, no banheiro, na cozinha, andando na rua, no meio de uma reunião ou DR. A boa notícia é que a execução é exemplar, e ainda que não toque em nenhum assunto que não seja a genialidade do protagonista, eis um belo acerto da Netflix em 2021.

A história de Tick é sobre os primeiros 30 anos da vida de Jonathan Larson, escritor responsável por Rent, musical da Broadway que mudou a forma de se olhar espetáculos musicais. Aqui, ele está prestes a fazer aniversário e não tem sequer uma peça exibida ou mesmo um texto reconhecido - e o próprio Larson transformou essa trajetória em um roteiro chamado Tick Tick Boom!, que agora é adaptado por Miranda, que respeita todas as letras e músicas do autor.

Leia também:

A forma do diretor de incluir a obra de Larson é quase devota. Não existe nada que impeça Larson de ser a estrela do show, como bem deveria ser, mas Miranda o faz de maneira edificante, impondo um ritmo crescente e superpop às letras e músicas.

E mesmo que esteja na zona de conforto, o cineasta deixa Andrew Garfield brilhar como protagonista e brincar quase com o exagero de ser um personagem tão afetado - de fato, não importa, este limiar entre o caricato e real é justamente o que faz Larson ser tão único.

Ouça o Pod Assistir, podcast de filmes e séries do Yahoo:

Ainda que tente compor a dramaticidade da história com o fato da AIDS ter chegado no ciclo de amizade do protagonista, Tick Tick Boom é muito Disney para abraçar um tema tão forte. Por isso, a pincelada que faz sobre isso é tão suave quanto às citações à MTV e à cultura pop no geral. Fora do âmbito de Larson, o tema forte é mesmo viver de arte versus viver de corporações publicitárias; cenário perfeito para uma jornada cativante e inspiracional vivida por um gênio levado tão cedo.

*Thiago Romariz é jornalista, professor, criador de conteúdo e atualmente head de conteúdo e PR do EBANX. Omelete, The Enemy, CCXP, RP1 Comunicação, Capitare, RedeTV, ESPN Brasil e Correio Braziliense são algumas das empresas no currículo. Em 2019, foi eleito pelo LinkedIn como um dos profissionais de destaque no Brasil no prêmio Top Voice

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos