Com axé e samba, Rock in Rio lembra mortes na cidade

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - "Hoje é dia de rock... E de axé, bebê!", anunciou Ivete Sangalo, que abriu no palco principal do Rock in Rio neste domingo (29) tocando bateria e vestida com um macacão branco brilhoso com um raio amarelo estampado no estilo de David Bowie.

Foi o quinto show da cantora no festival carioca, no qual Ivete energizou o público durante todo a apresentação com hits como "Eva", "Abalou" e "Sorte Grande". "É Carnaval, pula aí, Rio!", gritou.

Mas nem tudo foi axé. O repertório também contou com lambada e um medley de funk. Com "Levada Louca", a baiana encerrou o show, que foi um dos mais animados dos três primeiros dias de festival.

Com a música brasileira ditando as primeiras horas do festival desde sexta-feira (27), o domingo ficou marcado por manifestações políticas.

No palco Sunset, Elza Soares apresentou o seu último álbum, "Planeta Fome", com um espetáculo engajado, no qual usou o microfone para dizer que é necessário aprender a votar. "Nós não sabemos votar, precisamos aprender. Esse Rio de Janeiro acabado, completamente distorcido", completou a cantora, seguida de gritos da plateia contra o presidente Jair Bolsonaro.

Elza ainda citou os nomes da menina Ágatha Félix, da ex-vereadora Marielle Franco e do músico Evaldo Rosa dos Santos -todos mortos a tiros no Rio de Janeiro.

Foi também a apresentação com mais participações especiais até o momento. A veterana chamou ao palco o rapper Edgar, Jessica Ellen, Rafael Mike e Kell Smith. A mistura com novos artistas não é atípica para Elza, que costuma acompanhar de perto a nova música brasileira e firmou parceria recentes com nomes de destaque, entre eles Tulipa Ruiz e Russo Passapusso.

Quem também lembrou o nome de Ágatha Félix foi a banda de Natal Plutão Já Foi Planeta, que deu início às apresentações do palco Sunset com seu indie com tons de pop rock. No fim do show, eles exibiram no telão números relacionados à violência policial no Rio de Janeiro e o frase #AgathaPresente.

Os potiguares aproveitaram uma trégua da chuva, que tem caído na capital fluminense desde o primeiro dia de festival, para tocarem na companhia da cantora Mahmundi um cover de "Anunciação", hit de Alceu Valença. "Viva o Nordeste, viva o Rio Grande do Norte", gritaram ao fim.

A parte brasileira do festival foi encerrado com uma das vozes potentes da música contemporânea, Iza, que recebeu Alcione no palco Sunset. "Minha maior inspiração, uma das maiores vozes da música brasileira de todos os tempos", disse a cantora.

A sambista logo colocou uma multidão para cantar com "Não Deixe o Samba Morrer". Com uma numerosa banda, Iza apresentou faixas como "Toda Sua", "Ginga" -single em parceria com Rincon Sapiência-, "Brisa" e a romântica "Meu Talismã".

Por estar na gravadora Warner, Iza vem aparecendo em escalações de grandes festivais. A resposta da multidão no Rock in Rio justifica a presença dela.

No palco principal, estão previstos ainda Goo Goo Dolls, Dave Matthews Band e Bon Jovi, principal maior atração da noite. As apresentações não haviam terminado até a conclusão desta edição.

A expectativa é que os americanos do Bon Jovi repitam o sucesso do Foo Fighters, que na virada de sábado para o domingo subiu ao palco Mundo pontualmente à 0h10 e só saiu de lá mais de duas horas depois.

Com covers de Queen e até pedido de casamento de fãs no palco (para quem se interessar, ela disse sim), o show começou com "The Pretender" -um rock'n'roll num estilo mais clássico, ganhando de cara a arena.

Em seguida, eles engataram com "Learn to Fly", sucesso que está completando 20 anos de idade, e estenderam as canções para seis, sete ou até dez minutos cada uma, dando espaço inclusive para um longo solo de bateria, o que fez da performance um show visceral e brilhante.

Com pouco mais de uma hora de show, o baterista Taylor Hawkins ainda puxou "Love of My Life", do Queen, logo acompanhado pela plateia -exatamente como aconteceu há 34 anos com Freddie Mercury, no momento mais icônico do primeiro Rock in Rio.

Com a faixa "Everlong", Foo Fighters deixou os holofotes às 2h15. Dave Grohl, ex-Nirvana e frontman da banda, fez de longe a melhor apresentação do festival até agora.