Com 5 horas de duração, Miss Global termina com barraco no palco

FÁBIO LUÍS DE PAULA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com suspeita de fraude nos resultados, a edição 2019 do Miss Global International, realizada na madrugada deste domingo (19), ficou sem vencedora. Depois de quase cinco horas de competição, o representante da cidade-sede Oaxaca (México), interrompeu o show e encerrou o evento.

"Acredito que vocês tenham sido testemunha do problema que se apresentou nesse momento", falou ao público Ramiro Gutierrez, que é diretor de Fortalecimento e Coordenação Municipal de Oaxaca. Ele entrou no palco ao lado de Van M. Pham, fundador do concurso, ao mesmo tempo em que cerca de dez das 60 candidatas se posicionaram atrás deles para ouvir.

"Já tínhamos designado e anunciado as 11 finalistas. Mas, por uma decisão pessoal de Van Pham, ele quis voltar e fazer uma eleição de 18 participantes. Ele contatou o escritório que fez a contagem [dos votos] e depois disse que eles erraram. Porém, ele tomou uma decisão que nós nunca estivemos de acordo", explicou Gutierrez.

"Não podemos permitir que um senhor venha fazer uma fraude aqui em nossa casa. Nem que venha insultar a todos e dizer que somos ignorantes neste tema. O senhor é um fraudulento e não vamos permitir que continue com isso", finalizou, dispensando o público.

Enquanto Gutierrez detalhava os motivos, a candidata da Colômbia, Jesenia Orozco, revoltou-se e passou a gritar e gesticular para a plateia, expressando que a situação era um absurdo. As outras misses no palco, visivelmente cansadas e bocejando, apoiaram a colega.

BRASILEIRA EM 3º

O show foi transmitido ao vivo pela internet, o que possibilitou aos fãs acompanharem o "barraco". O vídeo, entretanto, foi retirado do ar pela organização do concurso e não está mais disponível em seus canais oficiais.

A final começou pouco depois da meia-noite (horário de Brasília) do domingo e acabou por volta das cinco. Para se ter uma ideia, concursos considerados muito longos, como o Miss Mundo, duram até três horas no máximo. Como outro ponto de parâmetro, o show final do Miss Universo dura cerca de duas horas.

A representante do Brasil, Adrielle Pieve, que foi anunciada no grupo das onze finalistas, não apareceu no palco junto com as outras candidatas revoltosas.

"Lamentamos a situação ocorrida durante a transmissão do Miss Global. Também estamos surpresos", disse em nota nas redes sociais a organização nacional.

Cerca de uma hora depois do fim da transmissão ao vivo, foi enfim anunciado o destino da coroa do certame. A vencedora da noite foi a Miss República Tcheca, Karolina Kokesova, seguida pela Miss Peru, em segundo lugar, e por Pieve, que ficou em terceiro.

O Miss Global é um concurso anual que existe desde 2013. Neste domingo, realizou sua sétima edição, pela primeira vez no México. Antes disso, já teve como país sede os Estados Unidos, Filipinas e Vietnã. Entre suas vencedoras, elegeu em 2017 a brasileira Bárbara Vitorelli.

Com sede situada em Los Angeles, o concurso é conhecido por autorizar a participação de mulheres que tenham filhos e seu slogan oficial é "empoderar mulheres, abraçar culturas e incorporar a beleza interior".