Colecionador brasileiro reivindica quadro de Van Gogh em museu nos EUA

Uma obra de Van Gogh se tornou objeto de discórdia. Um brasileiro pede que lhe devolvam a tela, que ele alega ter comprado em 2017 e perdido por anos, até que a localizou em um museu nos Estados Unidos, onde está exposta.

A empresa Brokerarte Capital Partners, cujo único membro é Gustavo Soler, é autora de um processo aberto em um tribunal americano. Soler compra, vende e coleciona obras de arte.

A história é rocambolesca. Em maio de 2017, o brasileiro adquiriu “Une Liseuse de Romans” (também conhecida como “A leitora de romances” ou “A dama leitora”), pintada pelo mestre do pós-impressionismo em 1888. Na ação judicial, consultada pela AFP, Soler afirma que, depois que comprou o quadro, um terceiro, que não identifica, “imediatamente tomou posse” do mesmo, sem que ele tenha cedido seu título.

Passaram-se anos, conta, sem que ele soubesse o paradeiro da pintura, até que, recentemente, ele descobriu que ela estava exposta no Instituto de Artes de Detroit (DIA, sigla em inglês), como parte de sua grande mostra Van Gogh na América, que termina em 22 de janeiro.

Por medo de que a partir dessa data o museu transfira o quadro ou o entregue a um terceiro, o brasileiro decidiu solicitar a intervenção da Justiça. Um juiz federal do Michigan ordenou ontem que o DIA “se abstenha de danificar, destruir, ocultar, descartar, deslocar, usar ou deteriorar substancialmente seu valor”.

Em 19 de janeiro, três dias antes do fim da exposição, o tribunal deve realizar uma audiência sobre o processo.

A obra custou 3,7 milhões de dólares, mas calcula-se que valeria atualmente mais de 5 milhões. Trata-se de um óleo sobre tela que representa uma jovem lendo um livro.

Tem “cabelos fartos muito escuros, um corpete verde, as mangas cor de folhas de videira, a saia preta, o fundo todo amarelo, estantes com livros”, descreve o próprio artista, em uma de suas cartas.

erl/atm/ic/lb