Claudia Raia diz que acreditou que 'Collor era o cara que iria mudar o Brasil'

·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 24.01.2017 - A atriz Claudia Raia. (Foto: Marcus Leoni/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 24.01.2017 - A atriz Claudia Raia. (Foto: Marcus Leoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Claudia Raia, 54, falou sobre o apoio que deu à campanha presidencial de Fernando Collor de Mello, 71, em 1989. Atual senador pelo PROS de Alagoas, o político teve uma gestão conturbada à frente da Presidência da República, tendo sofrido impeachment em 1992.

"Esse processo foi muito dolorido, e espero que isso nunca se repita", contou a atriz em entrevista ao programa Oito em Ponto, da Rádio Cultura FM. "Eu só acho definitivamente que política e arte, não caminham juntas."

"Eu acreditei que o Fernando Collor era o cara que iria mudar o Brasil, eu e todo mundo, mas não foi assim", admitiu. "E acho que hoje o Brasil vive uma divisão, e muitos lugares do mundo vivem também essa mesma divisão. E eu acho isso muito ruim, muito prejudicial. É a campanha do ódio."

Raia também relembrou momentos ao lado da mãe, dona Odette, que foi responsável por torná-la feminista. "Se eu fosse me definir, eu iria me definir assim: uma mulher que veio de uma família feminista, uma família de quatro mulheres... que na época não se chamavam feministas, mas mulheres que vestiam as calças", afirmou.

A entrevista, em que a atriz também fala sobre carreira, machismo e os bastidores da televisão, vai ao ar na próxima terça-feira (2/3). Ela marca o aniversário de um ano do programa, apresentado por Sergei Cobra.