Ciro Gomes vê "desespero" de Bolsonaro após virar alvo da PF

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura

Ciro Gomes (PDT) avalia como “grave” a tentativa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de “intimidar” opositores e adversários. O ex-ministro e ex-governador do Ceará, que disputou a eleição presidencial em 2018, virou alvo da PF (Polícia Federal) por ter criticado o chefe do Executivo.

Leia também

“Particularmente não ligo para esse ato contra mim, mas considero grave a tentativa de Bolsonaro de intimidar opositores e adversários. Entendo que é um ato de desespero de quem vê sua imagem se deteriorar todos os dias pela gestão criminosa do Brasil na pandemia”, escreveu Ciro em seu perfil no Twitter.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a PF investiga um possível crime de Ciro Gomes contra a honra de Bolsonaro. O pedido de abertura do inquérito foi assinado pelo próprio presidente, baseado em uma entrevista de Ciro Gomes à Rádio Tupinambá, de Sobral (Ceará), sobre as eleições muncipais de novembro do último ano.

Segundo Gomes, o baixo apoio aos candidatos lançados pelo presidente mostravam “repúdio ao bolsonarismo, à sua boçalidade, à sua incapacidade de administrar a economia do país e seu desrespeito à saúde pública”. Além disso, Ciro também chamou o presidente de “ladrão” e falou sobre o caso de rachadinhas (desvio do salário de servidores públicos).

Na entrevista, Ciro também critica o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, perguntando qual seu papel no combate à corrupção, já que "passava pano e acobertava a ladroeira do Bolsonaro", citando as acusações do Coaf contra os filhos e a esposa de Bolsonaro, além do ex-assessor de Flávio, Fabrício Queiroz.

A investigação tem como base o artigo 145 do Código Penal, que fala de crime contra a honra de funcionário público, no exercício de suas funções.