Cinema subterrâneo distrai e protege das bombas na Ucrânia

As salas de cinema começam a reabrir suas portas na Ucrânia, após permanecerem fechadas por vários meses desde a invasão russa em fevereiro, oferecendo aos cinéfilos algumas horas de sossego para amenizar a rotina cruel da guerra.

No centro de Kiev, o KINO42 é um dos 20 cinemas que abriram nas últimas semanas, mas é o único subterrâneo.

Construída a quatro metros de profundidade, a sala de 42 assentos é a única que ostenta seu status de "cinema-refúgio" para se proteger dos bombardeios russos.

"É literalmente um cinema-refúgio, porque está em um porão", explica à AFP Ilko Gladshtein, um dos donos, durante o lançamento de sua programação de clássicos ucranianos.

Inaugurado em 2019, o cinema sempre esteve em um porão. Isso já foi um detalhe incomum de sua arquitetura, mas agora é sua principal atração, diz Gladshtein.

"KINO42 é o cinema mais seguro de Kiev no momento. Não interrompemos as exibições durante os ataques aéreos", comentou.

- Esgotado -

O produtor cinematográfico de 37 anos se surpreendeu com a quantidade de gente que chega para as projeções noturnas, que foram adiantadas devido ao toque de recolher das 23h.

"Junho é um mês difícil para a distribuição de filmes, mas vejo que as pessoas estão famintas por cinema. Fizemos três exibições de arrecadação de fundos e enviamos mil dólares para o exército ucraniano", disse ele.

"Isso nos dá a confiança de saber que não estamos apenas entretendo as pessoas, mas também fazendo algo importante para os soldados na linha de frente", acrescentou.

O KINO42 sempre priorizou o cinema ucraniano, e a preservação da identidade cultural do país se tornou importante desde a invasão. O cinema fez parceria com o Centro Dovzhenko, o maior arquivo cinematográfico do país, e passou de uma exibição semanal para três, todas com a casa cheia.

Na semana passada, KINO42 apresentou "Estanho, Bizarro e Fantástico" (tradução livre), uma série de curtas animados dos anos 1980 e 1990. Os ingressos esgotaram três dias antes da estreia.

Stanislav Bitiutskiy, pesquisador de 38 anos do Centro Dovzhenko, diz que todo cataclismo social, ou político, impõe um acerto de contas com a identidade ucraniana.

"Aconteceu pela primeira vez com a Revolução Maidan", contou ele à AFP, referindo-se aos confrontos mortais de 2014 entre manifestantes e forças de segurança que levaram à queda do então presidente pró-russo Viktor Yanukovych.

"Agora, novamente, precisamos redefinir nossa identidade por meio da arte", considerou.

str-ft/jbr/lcm/mas/zm/aa/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos