Cineasta afegã relata medo de que artistas sejam perseguidos pelo Taleban

·5 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Diretora-geral da Afghan Film, entidade responsável pelo cinema no Afeganistão, a cineasta Sahraa Karimi escreveu uma carta aberta para pedir proteção aos artistas e às mulheres do país após o Taleban, grupo que virou sinônimo de radicalismo fundamentalista islâmico, ter derrubado o governo no sábado (14).

Karimi, que acumula em sua filmografia a direção de dois documentários e um drama sobre as dificuldades enfrentadas por mulheres no Afeganistão, encaminhou a carta a veículos de imprensa internacionais e a publicou em suas redes sociais. Ela foi originalmente escrita às vésperas da conquista da capital, Cabul, pelo grupo.

Destinada a "todas as comunidades de cinema do mundo e a quem ama filmes e cinema", a carta começa com Karimi dizendo estar com o coração partido, na esperança de que as pessoas ouçam seu apelo pela proteção dos cineastas do Afeganistão.

"Tudo o que trabalhei muito para construir como cineasta em meu país corre o risco de acabar. Se o Taleban assumir o controle, eles vão banir toda a arte. Eu e outros cineastas podemos ser os próximos em sua lista de alvos. Eles vão tirar os direitos das mulheres: seremos empurradas para as sombras de nossas casas e de nossas vozes, e nossa expressão será abafada no silêncio", escreveu ela.

No ano retrasado, Karimi chegou a exibir um de seus filmes, "Hava, Maryam, Ayesha", no Festival de Veneza. Nele, acompanhou três mulheres afegãs grávidas --uma que vive com os sogros e se sente só, outra que é uma repórter televisiva prestes a se divorciar e uma terceira que aceita se casar com o primo depois de seu namorado a abandonar.

A carta ainda relata a situação de mulheres e crianças em meio ao caos que se instaurou no Afeganistão, e lamenta a perseguição que pessoas contrárias ao Taleban vêm sofrendo.

"Eles massacraram nosso povo, sequestraram muitas crianças, venderam meninas como noivas para seus homens, assassinaram uma mulher por seu traje, torturaram e assassinaram um de nossos amados comediantes, assassinaram um dos nossos poetas e historiadores, assassinaram o chefe da cultura e dos meios de comunicação do governo, têm assassinado pessoas afiliadas ao governo, enforcaram publicamente alguns dos nossos homens, deslocaram centenas de milhares de famílias."

*

Leia a carta na íntegra abaixo.

A todas as comunidades de cinema do mundo e a quem ama filmes e cinema.

Meu nome é Sahraa Karimi, diretora de cinema e atual diretora-geral da Afghan Film, a única empresa cinematográfica estatal no Afeganistão, fundada em 1968.

Escrevo a você com o coração partido e uma profunda esperança de que possa se juntar a mim na proteção de meu belo povo, especialmente os cineastas do Taleban.

Nas últimas semanas, o Taleban conquistou o controle de muitas províncias. Eles massacraram nosso povo, sequestraram muitas crianças, venderam meninas como noivas para seus homens, assassinaram uma mulher por seu traje, torturaram e assassinaram um de nossos amados comediantes, assassinaram um dos nossos poetas e historiadores, assassinaram o chefe da cultura e dos meios de comunicação do governo, têm assassinado pessoas afiliadas ao governo, enforcaram publicamente alguns dos nossos homens, deslocaram centenas de milhares de famílias.

As famílias seguem acampadas em Cabul após fugirem dessas províncias e estão em condições insalubres. Há saques nos acampamentos, e bebês estão morrendo por não terem leite. É uma crise humanitária, mas o mundo está em silêncio. Acostumamo-nos a este silêncio, mas sabemos que não é justo. Sabemos que essa decisão de abandonar nosso povo está errada, e que essa retirada precipitada das tropas americanas é uma traição ao nosso povo e a tudo o que fizemos quando os afegãos venceram a Guerra Fria para o Ocidente.

Nosso povo foi esquecido. Agora após vinte anos de ganhos imensos para nosso país, especialmente para nossas gerações mais jovens, tudo pode ser perdido novamente neste abandono.

Precisamos de sua voz. A mídia, os governos e as organizações humanitárias mundiais estão convenientemente em silêncio, como se o tal 'acordo de paz' com o Taleban fosse legítimo. Nunca foi legítimo. Reconhecê-lo deu-lhes confiança para voltar ao poder. O Taleban tem brutalizado nosso povo durante todo o processo das negociações. Tudo o que trabalhei muito para construir como cineasta em meu país corre o risco de acabar.

Se o Taleban assumir o controle, eles vão banir toda a arte. Eu e outros cineastas podemos ser os próximos em sua lista de alvos. Eles vão tirar os direitos das mulheres: seremos empurrados para as sombras de nossas casas e de nossas vozes, e nossa expressão será abafada no silêncio. Quando o Talibã esteve antes no poder, nenhuma menina frequentava escolas. Desde que o grupo deixara o controle do país, mais de 9 milhões de meninas afegãs se matricularam na escola. Isso é incrível. Herat, a terceira maior cidade que acabou de ser dominada pelo Talibã, tinha quase 50% de mulheres em sua universidade. São ganhos incríveis que o mundo mal conhece. Nessas poucas semanas, porém, o Talibã destruiu muitas escolas, e 2 milhões de meninas foram forçadas a deixar a escola novamente.

Não entendo este mundo. Não entendo o silêncio [do mundo]. Vou ficar e lutar pelo meu país, mas não posso fazer isso sozinha. Preciso de aliados como você. Ajude-nos a fazer com que o mundo se preocupe com o que está acontecendo conosco.

Ajude-nos informando aos meios de comunicação mais importantes de seus países o que está acontecendo aqui no Afeganistão. Sejam nossas vozes fora do Afeganistão. Se o Taleban assumir o controle de Cabul, talvez não tenhamos acesso à internet ou a qualquer ferramenta de comunicação. Por favor, envolva seus cineastas e artistas para nos apoiar e ser nossa voz. Esta guerra não é uma guerra civil. É uma guerra por procuração, é uma guerra imposta. Por favor, compartilhe este fato com sua mídia e escreva sobre nós em suas redes sociais. O mundo não deve virar as costas para nós.

Precisamos do seu apoio e da sua voz em nome das mulheres, crianças, artistas e cineastas afegãos. Esse apoio seria a maior ajuda de que precisamos agora.

Por favor, ajude-nos a fazer com que este mundo não abandone o Afeganistão. Por favor, ajude-nos antes que o Taleban assuma o controle de Cabul. Temos tão pouco tempo, talvez dias.

SAHRAA KARIMI

Diretora-geral da Afghan Film

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos