Cinco anos após massacre na Charlie Hebdo, charges políticas continuam ameaçadas

Slogan 'Je suis Charlie' (Eu sou Charlie) viraliza e gera onda de solidariedade

Cinco anos após o massacre na redação da revista satírica francesa Charlie Hebdo e apesar da onda de apoio à liberdade de expressão que se seguiu, as charges continuam sendo um gênero ameaçado, em meio aos jornais cada vez mais temerosos e a redes sociais prontas para a indignação.

"Por toda parte, um vento ruim sopra sobre as sátiras e as charges na imprensa em geral, e 2019 terá sido um ano negro neste campo", criticam a diretora de redação do "Courrier International", Claire Carrard, e o presidente da associação Cartooning for Peace, Kak, no suplemento "2019 en cartoons" ("2019 em charges", em tradução livre), disponível nas bancas.

O golpe de 2019 veio do prestigioso jornal "The New York Times", que decidiu, em junho, deixar de publicar charges nas páginas de sua edição internacional, após uma polêmica ligada a um desenho considerado antissemita.

Embora não tenha sido o autor, um cartunista histórico do jornal, o suíço Patrick Chappatte, abordou o assunto.

"Vivemos em um mundo onde a horda moralizadora se reúne nas mídias sociais e se abate como uma tempestade nas redações. Isso obriga os editores a tomarem contramedidas imediatas, paralisa qualquer reflexão, bloqueia qualquer discussão", critica ele em um longo artigo de opinião.

No "Charlie", a edição "Caricature, mode d'emploi" ("Charges, modo de usar", em tradução livre), publicada no final de 2019, questiona se "o desenho satírico é uma forma de liberdade de expressão em via de extinção".

A revista satírica pagou um preço alto pela publicação de charges, ao sofrer um ataque que deixou 12 mortos, entre vários integrantes da redação, como Cabu, ou Wolinski.

"Temos a impressão de que a charge é cada vez menos tolerada, que é uma forma de expressão que, mesmo nos jornais, é incômoda. Um pouco atípica demais, um pouco livre demais...", explica à AFP o diretor de redação Riss.

Ele constata que, "mesmo nos grandes jornais, as charges se tornam extremamente consensuais, não se assume muito risco editorial, as charges se tornam um pouco insípidas".

O veículo se tornou alvo dos islamistas depois de publicar várias charges de Maomé, em 2012, 2011 e 2006, quando reproduziu os desenhos do jornal dinamarquês "Jyllands-Posten". Vários jornais europeus fizeram o mesmo.

Se fosse hoje, republicariam este mesmo material? "Poderíamos fazer isso, mas qual seria o sentido?", questionou Riss.

"Hoje, a noção de blasfêmia ultrapassou o âmbito de uma mera charge. Hoje, muitas coisas são vistas como blasfêmia, ou agressão. Muitas pequenas blasfêmias apareceram", avalia este profissional que precisa defender, com frequência, o espírito satírico da revista.

Riss aponta o papel amplificador das redes sociais.

"A pressão das redes intimida os veículos tradicionais. O dique cedeu. É o pânico. O que a gente esquece é que o Twitter não é nosso leitor. É um amplificador de raiva, um vetor de fenômenos em massa e incontroláveis", analisa Patrick Chappate, no "Courrier International".

"A sobrevivência econômica continua sendo um problema, e as hordas digitais que manipulam o politicamente correto para fazer sua intolerância e mente fechada triunfarem também representam um perigo contra o qual é preciso lutar", afirma seu colega Pedro Molina, hoje exilado na Nicarágua.