Ciência aponta por que você deve limitar o uso de telas por crianças pequenas

Crianças pequenas que passam no máximo uma hora em frente às telas e praticam atividades físicas apresentam melhor desempenho em funções como atenção, memória e controle das emoções. É o que aponta um estudo publicado no Journal of Pediatrics, que acompanhou 356 meninos e meninas de dois anos de idade.

Não é a primeira vez que estudos demonstram os benefícios das atividades físicas ao ar livre para essa faixa etária — e, por consequência, a limitação do uso de aparelhos eletrônicos. A nova pesquisa avaliou a influência desses fatores no desenvolvimento da criança e de que modo eles afetam habilidades como planejar, prestar atenção, regular pensamentos e comportamentos.

Destaca-se que, até os cinco anos de idade, o cérebro humano se desenvolve rapidamente, com grande proliferação dos hormônios e conexão, o que forma a base para o funcionamento cerebral durante a vida. Por isso, é indispensável que, durante esse período, a criança desenvolva suas habilidades de comunicação, interação social e funções executivas.

Isso pode ser feito a partir da prática de atividades e brincadeiras ao ar livre, que aperfeiçoam a capacidade de coordenação motora e favorecem aspectos de interação social, melhorando o bem-estar das crianças. A ausência desses estímulos para essa faixa etária pode provocar prejuízos em seu funcionamento nas fases posteriores da vida.

Saiba mais: Crianças que usam muito o celular têm menor capacidade motora

Quais os prejuízos do contato excessivo com as telas?

...

Veja mais


Veja também

Criança pode sentar em W? Entenda se a posição traz riscos
Dry scooping: entenda os riscos do desafio on-line
BPA: entenda os riscos do plástico à saúde das crianças
Febre em crianças: causas e sintomas de alerta
Entenda os riscos da Síndrome de Munchausen por procuração