Christiane Torloni celebra retorno de ‘Fina Estampa’: “Cereja do bolo”

Christiane Torloni como Tereza Cristina (TV GLOBO / João Miguel Júnior)

A nossa Rainha do Nilo está de volta! Tereza Cristina Siqueira de Velmont volta à televisão nesta segunda-feira (23) em uma versão especial de ‘Fina Estampa’ após o cancelamento das gravações de ‘Amor de Mãe’, a atual novela das nove por causa da pandemia do novo coronavírus, o covid-19. Yahoo! conversou com Christiane Torloni, a intérprete de uma das vilãs mais lembradas do país.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Escrita por Aguinaldo Silva e dirigida por Wolf Maia, ambos fora da Globo atualmente, a história deve ser compactada para a metade. “Foi um papel delicioso e achei que foi muito bem escolhido. Foi uma inspiração da TV Globo, nesse momento, exibir uma novela que é uma comédia. A arte é o antídoto. Para metabolizarmos essa quantidade de informação que estamos recebendo precisamos de uma coisa palatável e saborosa”, festeja a atriz.

Leia também


Originalmente exibida em 2011 e com 185 capítulos, a trama conta a história de uma mulher forte que venceu na vida que lutou para dar estudos e melhores oportunidades aos filhos. O cenário era o mesmo de muitas famílias que ascendiam das classes C e D para a classe média após oito anos de governo Lula.

“Se estávamos vendo uma classe chamada C e D subindo para uma classe média, agora vamos ver também um achatamento das classes mais altas com uma grande perda do setor financeiro. Espero realmente dessa gestão que estamos presenciando que dialoguem. Que ouçam os técnicos, as pessoas que estão preparadas para tomar atitudes e salvar pessoas. Primeiramente da saúde e depois economicamente”, avalia Christiane.

A atriz ainda pede uma atenção especial aos mais pobres. “Estamos à beira de um colapso. Os mais fracos, os que trabalham de dia para comer de noite, se não forem assistidas agora veremos uma coisa terrível. Hoje temos 12 milhões de desempregados e podemos imaginar o que será no futuro. Eles precisarão de parar de fazer politicagem para fazer a grande política para proteger o Brasil. Merecemos ser protegidos”, completa.

Tereza, Pereirão e Crô

Christiane Torloni como Tereza Cristina (TV GLOBO / João Miguel Júnior)

Com o retorno da trama, que é a maior audiência consolidada do horário das 21h na última década na Globo, teremos de volta Crôdoaldo Valério (Marcelo Serrado), Pereirão (Lília Cabral) e a grande vilã. “Tem aspectos da novela que são inspiradores e um fator interessante: é como se você já tivesse recebendo na sua casa pessoas que você já gosta. Que sabe quem são. É uma festa nesse sentido”, comemora Christiane.

Com cerca de 45 anos de carreira, Torloni ressalta que há pouco tempo conseguiu se assistir com leveza. “Foi um grande aprendizado. No começo da minha carreira eu detestava a minha voz e fui mudando com o tempo. Hoje me divirto me assistindo. Não quer dizer que está ótimo, mas que o que incomodava já foi ajustado. Em ‘O Tempo Não Para’ assisti como o público assiste e me diverti muito”, pontua.

A atriz ainda lembra que algumas vezes gravou mais de 100 cenas em uma semana (a média é de 70) e por isso não conseguia assistir as peripécias da personagem. “Vou saborear de outra maneira. Agora o trabalho está pronto e vou me divertir mais agora assistindo. Não precisa fazer mais nada, está feito”, adianta.

Torloni conta uma tradição que criou com a coxia da trama. “Quando ia bater 100 cenas na semana eu passava em uma confeitaria que gosto muito em São Conrado e comprava uma torta de chocolate. Colocava bandeiras dos times de futebol para comermos com a equipe aos sábados. O sentido do coletivo é a ferramenta da novela” relembra.

A parceria entre Christiane e Marcelo deu tão certo na trama que o Crô ganhou uma vida extra em dois filmes. “A gente já percebia que ia ser sucesso. Ensaiávamos muito para as cenas e quando víamos as pessoas do estúdio achando graça, percebemos que estávamos no cominho certo”, completa.

Isolamento social

Também em isolamento social, Christiane está adotando novos hábitos. “Talvez, como estamos vendo em outros lugares, isso signifique uma dilatação do tempo. Aquele livro que você queria ler e não leu, aquela gaveta que está uma zona de antes e se foge dela de todas as maneiras, a escrivaninha entupida...”, conta.

Ela acredita que o momento é bom para fazer um alerta social. “Pode ser a hora de nos identificarmos com o melhor do Brasil e repudiar de todas as maneiras qualquer ação terrorista que venha quebrar o nosso espírito de pertencimento. Nós pertencemos a essa terra e por isso as pessoas querem voltar para o Brasil”, analisa

Ela completa dizendo que precisamos estar atentos e fazer um balanço: “Observar quem são as pessoas que estão incansavelmente tentando nos salvar e quem só está bagunçando. As pessoas que estiverem atrapalhando, que nas próximas urnas elas sejam deletadas da política. É nas urnas que dizemos: você nunca mais.”

Assim como muitos brasileiros, Christiane é esperançosa. “Espero que esse momento de grande reflexão e que fomos convidados a viver seja útil e que a novela seja a cereja saborosa. Acredito muito na alma brasileira e está acontecendo uma irmandade entre os povos. Estamos fechando fronteiras físicas, mas não emocionais. A terra é a nossa casa comum e entendemos isso”, conclui.