Chris Flores tenta reencontrar grávida de Taubaté e reportagem termina em agressão

·2 minuto de leitura
Maria Verônica Santos ficou conhecida como a falsa grávida de Taubaté - Jorge Araujo/Folhapress
Maria Verônica Santos ficou conhecida como a falsa grávida de Taubaté - Jorge Araujo/Folhapress

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Responsável por desmascarar a pedagoga Maria Verônica Aparecida Santos, que ficou conhecida em 2012 como a falsa grávida de Taubaté ao fingir que gestava quatro crianças, a jornalista Chris Flores, 43, tentou promover um reencontro com ela, mas a reportagem terminou em agressão. 

A tentativa de contato foi mostrada na manhã desta terça-feira (6) no programa do SBT Vem Pra Cá, sob o comando de Patrícia Abravanel. Quando a equipe de reportagem chegou à casa da mulher foi surpreendida por um homem que bateu na câmera e machucou a mão da repórter. 

Leia também:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Um dos dedos da jornalista sangrou e a equipe desistiu de tentar entrevistar Maria Verônica. O agressor é supostamente o marido dela. Ele entrou na casa momentos depois. 

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"Talvez, para ela, já esteja superado, mas o marido pode não ter superado ainda. Devem perguntar como ele não descobriu que a gravidez era falsa, devem acusá-lo de ser cúmplice. Deve ser difícil. A pessoa fica prisioneira da própria mentira", disse Chris ao lamentar o caso no palco. 

Na ocasião, ela trabalhava no programa matutino da Record Hoje em Dia. Flores conta que desconfiou que o volume da barriga fosse um enchimento e disse para Maria Verônica que não acreditava nela. Dias depois, uma reportagem mostrou a farsa. 

Na ocasião, Maria Verônica teve de doar para entidades assistenciais todos os presentes que tinha ganhado, como berços, roupinhas de bebês e itens de enxoval. 

Até o ultrassom que costumava apresentar era uma cópia de outro exame na internet. Ela teria inventado a mentira para chamar atenção da família que se afastou dela depois de seu casamento. 

Ré desde 2012 por suposto crime de estelionato, a pedagoga, na época com 25 anos, não foi punida pela Justiça. Em 2014, a 3ª Vara Criminal de Taubaté extinguiu o processo que ela e o marido, Kleber Vieira, respondiam. 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos