Elisa Lucinda destaca elenco de "Vai Na Fé": "Chorei ao ver um monte de gente preta"

Atriz celebra volta às novelas em tempo de ascensão da representatividade

Elisa Lucinda em
Elisa Lucinda em "Vai Na Fé". Foto: Estevam Avellar/GloboIReprodução/Globo

Resumo da notícia:

  • Elisa Lucinda avalia importância social de "Vai Na Fé"

  • Atriz celebra representatividade preta na nova novela das sete

  • Folhetim de Rosane Svertman chega ao público em 16 de janeiro

Elisa Lucinda celebra o retorno para a TV Globo no mais novo folhetim das sete. Após seis anos de "Tempo de Amar", sua última novela nas telinhas, a atriz integra o elenco de "Vai Na Fé" e avalia a volta a uma produção do gênero em tempos de mudanças determinantes nas abordagens televisivas.

Em coletiva com jornalistas, a veterana da emissora refletiu sobre a representação da realidade nos enredos. "[Volto] Numa hora ótima, do exercício prático da utopia. Muita coisa do que eu sonhei, do ponto de vista da representatividade, da equidade dentro do trabalho, tenho visto dentro da TV Globo", avaliou. "Tem um mundo contemporâneo acordando para uma leitura das mazelas que nos definem e que a gente não vê no mercado audiovisual”, completou.

Representatividade preta

Para Elisa Lucinda, a novela protagonizada por Sheron Menezzes contempla a representatividade preta de uma forma jamais vista num passado, relativamente, recente. "Há 30 anos, algumas de nós estaríamos só na possibilidade de fazer uma novela de época para fazer papel de escravizada. É muito importante falar disso"

Chorei muito na preparação em ver um monte de gente preta, competente, no seu lugar, respeitada"Elisa Lucinda

Com outros nomes representativos como Bella Campos, Samuel de Assis, Che Moais, Carla Cristina Cardoso e Jean Paulo Campos entre os atores, Elisa também pontuou o potencial de mercado dessa abertura de portas. Ela acredita que, quanto mais a comunidade preta se enxergar nas produções, mais irá consumi-las. "Vejo avanço até no ponto de vista capitalista. É impressionante o que a 'pretaiada' consome e [o quanto] quer se ver representada", afirmou.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Papel evangélico

No enredo, Elisa Lucinda viverá a matriarca evangélica Marlene, mãe da protagonista Sol (Sheron Menezzes), e demonstra ter se despido de preconceitos com a religião, já que é guiada por um pai de santo fora das câmeras. Inclusive, ela contou ter sido apoiada pelo sacerdote a "ir na fé" antes mesmo de saber do título da novela.

O que mais me faz feliz é terem me convidado para fazer uma [novela] evangélica. Gosto do respeito do convite para fazer o arco dramático dela, que é interessante. Principalmente, para compor esse imaginário do evangelho tão carregado de estereótipos, dos quais a gente está fugindo”Elisa Lucinda

atrizA relatou ter se encantado com a essência do evangelismo sem focar em estereótipos conservadores. "Compor os fundamentos do evangelho é tão lindo. Eu estou defendendo a religião evangélica. Amo os louvores, defendendo amorosamente. Sem contaminá-la com as minhas críticas ao neopentecostalismo. Pelo contrário, achando o fundamento amoroso, o que é um antídoto para um mundo de guerra", pontuou.

A trama estreia na tela da Globo em 16 de janeiro, como sucessora de "Cara e Coragem".