"Chora não": em vídeo emocionante, família homenageia jovem trans

Já contamos por aqui a história de Pérola Lee, a jovem estudante que ganhou o apoio da família com uma camiseta bastante divertida apoiando o jovem LGBTQ+. Agora, mais um caso como esse apareceu na internet.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Richard Alcântara é um jovem trans que recebeu uma homenagem dos familiares em um vídeo liberado pela sua namorada, Yuri Almeida, no Facebook. Nas imagens, que você pode ver abaixo, Richard é surpreendido pelos parentes, todos enfileirados, de costas. Quando viram, cada um está com fitas cobrindo o peito.

Leia também


A iniciativa é uma forma de mostrar para o jovem, que ainda não fez a cirurgia de retirada dos seios e usa a fita como uma forma de escondê-los, que ele é aceito exatamente como é.

"Um ano atrás ele sofria com a fase de aceitação e temia a rejeição da família, já tentou contra a própria vida por consequência de depressão,, mas o que ele não sabia é que tudo tem seu tempo, nada acontece por acaso, pra quem acha que pra essas pessoas falta DEUS, estão enganados, eles possuem mais Deus no coração do que muita gente, eles não exigem que as pessoas os aceitem, mas exigem e merecem RESPEITO, somos o que somos de cores, religiões, opiniões e gostos diferentes mas nem por isso somos melhores os inferiores", escreveu Yuri como acompanhamento das postagens. "Essa é uma demonstração de amor incondicional de uma família, mesmo com tanta diversidade sempre colocou amor e união acima de tudo, onde a felicidade, onde a conquista e a realização de um sonho de um integrante da família é compartilhada e vivida por todos, e é a família da qual sou grata em fazer parte".

Como você pode ver, Richard parece bastante emocionado nas imagens. "Chore não, a gente quer ver você feliz, não chorando!", diz um deles. Caso você não saiba, receber o apoio da família e dos amigos próximos é essencial para que uma pessoa LGBTQ+ se sinta acolhida e aceita, e evite casos de abandono e até de depressão e suicídio na comunidade.

O Brasil é um dos países que mais mata pessoas transexuais no mundo - foram 868 mortes nos últimos 8 anos, segundo pesquisa da ONG Transgender Europe. O número é mais do que o triplo de assassinatos do segundo colocado, o México. Por isso, aumentar a conscientização a respeito da comunidade, suas necessidades, dores e representatividade, é tão importante nesse momento.