China abate 18 mil aves por surto de gripe aviária

Vírus H5N1 foi o responsável pela contaminação e abate de cerca de 18 mil aves. (Foto: AP Photo/Eugene Hoshiko/ 3 de Abril de 2013)

A China anunciou, nesta segunda-feira (3), que precisou abater cerca de 18 mil aves para tentar conter um surto de gripe aviária de H5N1. O país enfrenta uma epidemia do novo Coronavírus, que já matou 361 pessoas e infectou mais de 17 mil apenas na China continental.

O epicentro do vírus da gripe aviária H5N1 foi detectado em uma fazenda na cidade de Shaoyang, na província central de Hunan. A cepa altamente patogênica do H5N1 infectou 7.850 galinhas, das quais 4,5 mil morreram.

Leia também

Ao todo, 17.828 aves foram sacrificadas após o surto, segundo informou o Ministério da da Agricultura e Assuntos Rurais da China. Ainda não foram relatados casos de infecção humana pelo vírus H5N1.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) declarou que, entre 2003 e 2019, 861 casos de H5N1 foram confirmados em humanos no mundo inteiro. Entre eles, 455 morreram. Na China, nos últimos 16 anos, foram 53 casos humanos e um total de 31 mortos.

A gripe aviária foi detectada pela primeira vez em 1996 em gansos na China. Nas aves, ela provoca doenças respiratórias graves e facilmente leva ao óbito. Entre os seres humanos, a OMS alerta que a possibilidade de transmissão é baixa e só ocorre após um contacto prolongado e próximo com aves infectadas.

Mesmo assim, a taxa de mortalidade gripe aviária é superior à apresentada até agora pelo novo Coronavírus, com morte de 50% dos infectados por gripe aviária ante 2% do novo vírus que se manifestou em Wuhan.

Por sua vez, a SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave), também conhecida como pneumonia atípica, que tinha uma taxa de mortalidade de 10%.