Chefes da Cultura sob Bolsonaro disputam para ver quem responde a mais ações na Justiça

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Representantes da Cultura do governo Bolsonaro estão competindo para ver qual deles responde por mais processos na Justiça.

O subsecretário de Fomento e Incentivo à Cultura, Andre Porciuncula, afirmou em post no Twitter que ele e o titular da pasta, Mario Frias, respondem a 77 processos. “O custo de tentar moralizar os mecanismos de fomento da Cultura”, disse em rede social.

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, respondeu que ele acumula mais de 30 ações, além de uma suspensão do cargo, duas representações na ONU, notas de repúdio e abaixo-assinados.

“Somar os dois é covardia. Quero ver no mano a mano quem vence”, disse Camargo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos