Charlie Puth embala público do Rock in Rio com baladinha pop e hits

AMON BORGES E JÚLIA BARBON
RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL, 05-10-2019: Show do cantor Charlie Puth, no palco Sunset, durante o terceiro dia do segundo final de semana do festival Rock in Rio, no Parque Olímpico, na zona oeste do Rio de Janeiro. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Charlie Puth tem sucessos no topo das paradas. O americano está por trás de hits recentes como "We Don't Talk Anymore", com Selena Gomez, e "See You Again", em parceria com o rapper Wiz Khalifa. Foi com ela que fechou o último show do palco Sunset, do Rock in Rio, neste sábado (5).

Assim que reconhecidas pelo público, mãos com celulares para o alto e câmeras acionadas a fim de registrar o momento.

Puth levou ao público da Cidade do Rock parte de sua discografia que conta com os álbuns "Nine Track Mind" (2016) e "Voicenotes" (2018). 

A pegada pop, no estilo baladinha, predomina no repertório. Aquele som que faz você dar uma balançadinha de leve no corpo.

"Um pouco de pop, jazz, rock e muito musical", diz Puth, em entrevista à Folha, sobre a apresentação. "Sem explosões, dançarinos, essas coisas". E assim foi, a partir das 21h31, com um atraso de 16 minutos no início.

Enquanto canta o multi-instrumentista demonstra também habilidade e destreza no teclado ao centro do palco, como na faixa "One Call Way".

Foi a primeira vez do cantor no Brasil, o que ele fez questão de frisar no palco durante o show de 50 minutos. Simpatia com os fãs foi retribuída com um "Charlie, eu te amo", repetido algumas vezes pelos mais fanáticos.

Nas redes sociais ele já havia elogiado o país com corações em fotos de praia no Rio de Janeiro e dizeres do tipo "O Brasil é lindo".

"Eu já escrevi quatro músicas aqui. Eu desenhei algumas ideias. São apenas melodias, eu vou entrar no avião e aí escrever as letras", afirma sobre a inspiração que o Brasil deu.

"Gostei bastante do funk. Eu amo viajar, ouvir todos os tipos de música e cultura, trazê-los comigo e aí criar eu mesmo uma nova música", diz o americano.