Charli XCX abusa de playback em show dançante durante o Primavera Sound

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Vestindo biquíni e uma saia curtinha pretos, a cantora britânica Charli XCX começou pontualmente seu show no palco Beck's do Primavera Sound, à 0h45, numa performance dançante e cheia de playback.

Ela foi uma das últimas artistas a cantar na primeira edição brasileira do festival criado em Barcelona. Charli trouxe ao festival sua turnê dedicada ao disco "Crash", lançado em março.

Abriu o show com a potente "Lightning", enquanto raios azuis cobriam os telões. Emendou depois em "Gone", pedindo que o público mostrasse o dedo do meio. Ela lambeu o próprio, seduzindo para as câmeras no palco.

Depois de bater a bunda no chão com "Constant Repeat", a britânica fez a multidão pular com "I Love It", música que a alçou à fama há dez anos. Ela cansou tanto da fritação que, na música seguinte, "Party 4 U", fez playback durante quase toda a faixa.

Apesar de ter sido um momento incômodo, ela voltou a empolgar a plateia ao cantar "1999", sua parceria com Troye Sivan, quando pediu que as pessoas subissem umas nos ombros das outras. Os fãs mais fervorosos atenderam ao pedido.

"Boys", outra das suas músicas mais famosas, foi dedicada pela cantora aos meninos gays da plateia. De novo abusando do playback, a britânica cantou sobre alguém que não para de pensar em homens.

"I Got It", com Pabllo Vittar, foi um acréscimo especial à setlist brasileira. No Twitter, Charli deu a entender que convidaria a drag queen para o show. Isso não aconteceu, decepcionando os fãs que apontavam as câmeras dos celulares para o palco esperando a aparição da brasileira.

Charli XCX cantou sim ao vivo, mas abusou do playback e não se preocupou em disfarçar durante o show.

O show terminou 15 minutos antes do previsto na programação do festival. Os fãs saíram de lá reclamando da falta de músicas como "Move Me" e "Crash". Foi um show curto, mas animado, finalizado com gostinho de quero mais.