Cervejarias param produção e doam cilindros de oxigênio no PR

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
Cilindros de oxigênio foram doados por cervejarias para hospital no Paraná

Três cervejarias interromperam parte da produção da bebida alcoólica e se uniram para doar cilindros de oxigênio ao hospital de Clevelândia, na região sudoeste do Paraná. Em situação crítica no sistema de saúde por causa da pandemia de coronavírus, o estado registrou 97% de ocupação nos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Leia também:

Participaram da ação as empresas Insana, Formosa e SchafBier, que entregaram 17 cilindros, sendo três de 1 quilo, três de 7 quilos e outros 11 de 10 quilos.

“Recebi a informação de que Clevelândia estava com dificuldade de fornecer oxigênio e no mesmo momento entrei em contato com a fábrica para saber o que tinha disponível para ajudar. Paramos parte da produção porque usamos o oxigênio para a fermentação do produto”, comentou coordenador a campanha, Pedro Reis, ao portal UOL.

Com as doações, o Hospital Estadual de Clevelândia, que tem capacidade máxima para atender com até 40 cilindros diários, agora conta com quase 60 no tratamento contra a Covid-19.

“Os cilindros estão sendo levados para a distribuidora para o envasamento do oxigênio. O produto não está em falta, o problema é a falta do cilindro, o que gerou a campanha. Foi retirado o oxigênio usado nas indústrias e envasado o de pureza de no mínimo 95% para o consumo humano. Não precisa de adaptação do cilindro, apenas a higienização”, esclareceu o diretor da 7ª Regional de Saúde do Paraná, Anderson Nezello.

Clevelândia, que tem população de 16 mil habitantes, registrou 1.222 casos confirmados de Covid-19, sendo 894 recuperados.

“Passamos por um momento muito tenso porque antes não tínhamos uma demanda significativa, além de o perfil dos internados, que era diferente do ano passado e que não utilizavam com intensidade o oxigênio. Observamos que atualmente, quase todos precisam e os direcionados para UTI já vão para intubação. Isso pegou todo mundo de surpresa e não é da noite para o dia que se produz um cilindro”, lamentou Nezello ao portal UOL.