Celebridades reagem à decisão que reverte direito ao aborto nos EUA: "Desastre"

Taylor Swift foi uma das celebridades a se revoltarem contra a decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos de reverter a decisão sobre o direito ao aborto legalizado (Foto: ANGELA WEISS/AFP via Getty Images)
Taylor Swift foi uma das celebridades a se revoltarem contra a decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos de reverter a decisão sobre o direito ao aborto legalizado (Foto: ANGELA WEISS/AFP via Getty Images)

Em vigor desde 1973, a decisão Roe vs. Wade, que reconhecia o direito constitucional de uma mulher a ter um aborto legal nos Estados Unidos, foi revertida pela Suprema Corte dos Estados Unidos na última sexta-feira (24), por 6 votos a 3. Nas redes sociais, artistas como Taylor Swift, Elizabeth Banks, Ariana DeBose, Viola Davis e Sophia Bush, entre outras, se revoltaram contra a decisão.

"Eu estou absolutamente aterrorizada por estarmos nessa situação. Depois de as pessoas lutarem por tantas décadas pelo direito das mulheres sobre os seus próprios corpos, a decisão de hoje arrancou isso de nós", escreveu Swift. "Todos podem ter uma arma, mas ninguém pode ter autonomia sobre o próprio corpo. América", lamentou Banks.

"As pessoas ainda farão abortos. Esses procedimentos não pararão só porque Roe vs. Wade foi revertida. Isso só parará abortos seguros e legais de acontecerem", argumentou a apresentadora Padma Lakshmi. A atriz Sophia Bush complementou: "Eles nunca acabarão com o aborto. Apenas o aborto seguro. Isso não é sobre vida. É sobre controle."

"Mulheres não se engravidam sozinhas! Por que não há a menor noção de responsabilidade compartilhada?! É patético e eu me junto a todos vocês, que estão revoltados e querem revidar", declarou a cantora Sara Bareilles. "Enojada. Agora, mais do que nunca, temos que usar nossas vozes e poder", acrescentou a atriz Viola Davis. "Eu não tenho nada bom para dizer nesse momento", lamentou Ariana DeBose.

"Por que vocês não se importam com a gente? Por que vocês acham que podem ter alguma opinião sobre nossos corpos", questionou a atriz Rachel Zegler, de "Amor, Sublime Amor". "Não se enganem. A maioria neste país está revoltada esta noite. Não uma minoria. Uma gigante maioria. Eu estou vendo essa revolta. Eu estou ouvindo essa revolta. Eu estou sentindo a revolta. E, para todas as mulheres assustadas esta noite, eu lutarei por vocês e com vocês. Eu vou lutar como nunca. Nós todos devemos lutar", afirmou o ator Josh Gad.

Mark Ruffalo, conhecido como o Hulk dos filmes da Marvel, também compartilhou a sua revolta no Twitter: "Eu não acredito que estamos nessa situação. Livros sendo queimados, banimento de discussões sobre raça e sexualidade nas salas de aula, a erosão dos direitos dos eleitores visando os pobres e as pessoas de cor. É literalmente uma repressão da direita às normas democráticas. Os piores estão cheios de intensidade apaixonada", escreveu o ator, que costuma ser bastante vocal sobre pautas sociais.

"Essa Suprema Corte é um desastre absoluto. Desde dar o direito às pessoas de portarem armas até tirar os direitos de mulheres terem autonomia sobre os seus corpos", afirmou a atriz Patricia Arquette. "Tirem as suas históricas fictícias e odiosas da Bíblia e as besteiras de sua falsa religião da droga das nossas vidas", revoltou-se o ator e humorista Billy Eichner.