CCXP 2018: Diretor e elenco de ‘X-Men: Fênix Negra’ prometem filme empolgante

As atrizes Jessica Chastain e Sophie Turner durante o painel da Fox (Crédito: CCXP/ I Hate Flash)

O painel da Fox durante o segundo dia de CCXP, nesta última sexta-feira em São Paulo, já entrou para a história desta edição como um de seus momentos mais marcantes. Além de mostrar imagens de alguns próximos lançamentos do estúdio para 2019, como ‘O Menino que Queria Ser Rei’ (uma versão contemporânea da lenda do Rei Arthur), a ficção-científica ‘Alita: Anjo de Combate’ e o novo ‘Dragon Ball Super: Broly’, com direito à presença no palco dos dubladores brasileiros da animação.

Mas o público presente foi mesmo à loucura quando entraram em cena o diretor Simon Kinberg e as atrizes Sophie Turner e Jessica Chastain, da equipe de ‘X-Men: Fênix Negra’.

Kinberg, produtor da franquia dos mutantes no cinema e que pela primeira vez assume o comando de um longa-metragem, falou sobre a oportunidade de levar à telona uma de suas histórias preferidas dos quadrinhos. A trama se passa em um contexto no qual os X-Men já são vistos com bons olhos pela sociedade e passam até mesmo a trabalhar junto com o governo norte-americano em algumas missões.

Durante o painel, foi exibido em primeira-mão um trecho de aproximadamente quinze minutos do novo filme. Nesta hora, os três convidados ilustres deitaram no palco, para poder ver melhor o imenso telão colocado ao fundo do palco, onde as imagens foram projetadas.

A sequência mostrada traz uma equipe comandada por Mística (Jennifer Lawrence) indo até o espaço para resgatar um grupo de astronautas humanos, após um acidente. É lá que a Fênix Negra (Sophie Turner) entra em contato com uma força alienígena que toma conta de sua personalidade.

“Ela fez um trabalho incrível”, elogiou o cineasta, ao falar do trabalho com a protagonista Sophie. “Falamos sobre esquizofrenia e distúrbios de dissociação de personalidade, ela andava com fones para ouvir vozes e entender como seria a telepatia de Jean”. Ele ressaltou ainda que o tom do longa se aproxima do realismo melancólico de ‘Logan’, misturado ao de produções que tem o espaço sideral como um dos cenários.

“Foi muita pressão, mas amo o que Simon fez”, retribuiu a atriz. “Mesmo sem os elementos fantásticos seria um filme incrível. Estou muito animada por mergulhar na psique da Jean. Essa garota é problemática. Quero fazer os fãs felizes, porque sei que é uma história muito querida.”

Sem poder falar muito sobre a sua personagem, ainda com detalhes mantidos em segredo, Jessica Chastain compensou com acenos, sorrisos e muitas demonstrações de carinho aos fãs. Quando pôde empunhar o microfone, ressaltou a participação feminina como um traço sempre forte nos filmes dos X-Men. “Eu amo ver mulheres detonando. Muitas pessoas brincaram que somos as X-Women. Talvez não a minha personagem, mas o filme é centrado nas mulheres, e acho que isso é bom”, resumiu.

A frase de Chastain faz eco ao final do trecho de ‘X-Men: Fênix Negra’ exibido na CCXP. Num embate com o Professor Xavier (James McAvoy), Mística dispara: “Aqui são sempre as mulheres que precisam salvar os homens. A equipe não deveria se chamar X-Men, mas X-Women”. O público aplaudiu, entusiasmado, parecendo concordar com a afirmação.