Cássia Kis afirma ser vítima de assédio moral e nega homofobia: "Sou mentirofóbica"

Cássia Kis, de
Cássia Kis, de "Travessia", afirma ser vítima de assédio moral e nega homofobia: "Sou mentirofóbica" (Foto: Globo/Ellen Soares)

Centro de diversas polêmicas recentes, Cássia Kis se defendeu em um texto publicado no jornal Folha de S. Paulo neste domingo (13). A atriz, atualmente no ar na novela "Travessia", comentou, especialmente, as acusações de homofobia por declarações preconceituosas em entrevistas.

No texto, ela diz que há pessoas falando mal dela nos últimos dias, inclusive colegas de profissão, mas que as perdoa. No entanto, a atriz disse que não aceita os comentários feitos sobre ela: "Embora eu não deseje o mal de ninguém, nem por isso aceito as pechas equivocadas que alguns têm lançado sobre mim. E por quê? Porque aprendi o valor de uma boa reputação, construída com trabalho e amor ao longo de muitos anos", escreveu.

"E também porque aprendi que com a verdade não se brinca. Portanto, não posso simplesmente dar de ombros perante os murmúrios que atingem tanto a pessoa como a artista", continuou Cássia. Na sequência, ela denunciou ser vítima de "um verdadeiro assédio moral":

"Dizem que, por assumir uma posição política conservadora, eu estaria 'envergonhando' a classe artística. Se fosse apenas isso, tudo bem. Mas o zum-zum-zum chegou além, pois me atribuem intenções que não tenho, palavras que não disse e crises que não criei", continuou.

"A pressão sobre mim - um verdadeiro assédio moral - ganhou contornos policiais, pois me chega a notícia de que estou sendo formalmente acusada de 'homofobia' por um grupo de ativistas do Rio de Janeiro. Não, meus caros, não sou nem nunca fui homofóbica; sou no máximo 'mentirofóbica' e 'idiotofóbica'", afirmou.

Ao fim do texto, Cássia ainda disse que tem encontrado com diversos brasileiros, que estão comovidos com a sua situação: "A solidariedade desses desconhecidos supre a falta de apoio de pessoas que, me conhecendo há tempos e tendo partilhado comigo ótimos momentos, tanto na vida pessoal como na profissional, não levantam a voz em minha defesa, talvez por medo de serem mal vistas. É a vida: a vida como ela é na realidade, não como é pintada nos contos de fadas", concluiu.

Exposta após falas homofóbicas

Apoiadora do presidente Jair Bolsonaro (PL), Cássia Kis discursou contra relações homoafetivas em uma entrevista à também bolsonarista Led Nagle: "Não existe mais o homem e a mulher, mas a mulher com mulher e homem com homem, essa ideologia de gênero que já está nas escolas. Eu recebo as imagens inacreditáveis de crianças de 6, 7 anos se beijando. Duas meninas dentro de uma escola se beijando, onde há um espaço chamado beijódromo", declarou a atriz.

"O que está por trás disso? Destruir a família? Destruir a vida humana? Porque onde eu saiba homem com homem não dá filho, mulher com mulher também não dá filho. Como a gente vai fazer?", acrescentou. O comentário gerou revoltas nas redes sociais e fez com que Lúcia Veríssimo fizesse uma publicação em que aparece dando um beijo na boca de Cássia:

Em nota, a Globo também repudiou a fala da intérprete de Cidália em "Travessia": "A Globo tem um firme compromisso com a diversidade e a inclusão, e repudia qualquer forma de discriminação", diz o comunicado enviado à imprensa.