"Casamento às Cegas Brasil 2": casal cancelado acusa Netflix de manipulação: "Escrotos"

Bruna Luana e Paulo Simi deram uma versão surpreendente sobre o que rolou nas gravações do programa

Paulo Simi e Bruna Luana, de
Paulo Simi e Bruna Luana, de "Casamento às Cegas" (Foto: reprodução/Netflix)

Editor de reality show realmente não tem um minuto de paz! Cancelados pelo público, Bruna Luana e Paulo Simi, participantes da segunda temporada de "Casamento às Cegas Brasil", estão acusando a Netflix de manipular falas e fatos para criar uma narrativa que favoreça o programa em termos de engajamento.

"A história que tem ali está longe de ser a real", disparou a médica em entrevista ao jornalista Leo Dias, colunista do "Metrópoles". "Eles manipulam muito, tiraram várias frases de ordem. O Paulo me pediu em casamento no primeiro dia de cabine, a nossa história é muito bonita. Eles esqueceram tudo porque ficaram putos que eu saí quebrando o pau com aquela galera", completou.

Segundo Bruna, Paulo teria tido que regravar alguns depoimentos. "O negócio é muito grave, muito sério. Eles estão sendo escrotos", desabafou ela, que ainda expôs uma suposta negligência por parte da produção. "Fui sequestrada quando era criança, fiquei dez dias em um cativeiro. Eu tinha avisado que para mim era muito difícil lidar com confinamento, e eles fizeram questão de deixar tudo pior. Eu pedi psicóloga e eu não tive", afirmou.

"Eu tive uma queimadura química porque estava usando um ácido. Pedi pomada para três pessoas e ninguém deu. Eu tive que descer e comprar, enquanto a gente estava confinado. Eles não tinham o mínimo cuidado com a gente", continuou ela.

O lado de Paulo Simi

Visto como gordofóbico por se recusar a noivar de fato com Amanda Souza ao encontrá-la pessoalmente, o especialista em Recursos Humanos, que hoje está em um relacionamento sério com Bruna, tem uma versão parecida com a da amada.

"Estão falando muita coisa que não é verdade. Fico muito chateado. Desde o primeiro dia, eu só quis a Bruna", lamentou. "Antes de a porta abrir e eu ver Amanda pela primeira vez, bateu. Sabe quando bate aquela sensação de: 'Nossa, queria que fosse outra pessoa'? A porta se abriu e eu não podia fazer aquilo, porque o meu coração pertencia e pertence à Bruna. Esse é o real motivo, mas provavelmente nunca mostrem", emendou.

"A Amanda é uma pessoa muito gente boa, com ótimo coração, uma luz que brilha muito. Uma baita de uma mulher. Só que meu coração sempre foi da Bruna. O que aconteceu foi que minha razão pedia, devido à desistência [da Bruna], a Amanda", concluiu Paulo.