Casal de idosos esfaqueados por ex-genro no Rio morreu com lesões na face, tronco e membros, atesta IML

A declaração de óbito dos aposentados Geraldo Pereira Coelho, de 73 anos, e Oselia da Silva Coelho, de 72 - mortos ao serem esfaqueados pelo ex-genro, o oficial da Marinha Cristiano da Silva Lacerda, na madrugada do último sábado, dia 25, na Zona Sul do Rio - aponta que os idosos sofreram lesões na face, tronco e membros. O documento emitido por médicos legistas do Instituto Médico-Legal (IML) atesta que os corpos tinham ferimentos internos e externos, além de lesões nas vísceras, nas cavidades do tórax e do abdômen, provocados pelos golpes dados pelo ex-namorado do filho das vítimas, Felipe da Silva Coelho. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital (DHC).

Foi namorado de filho das vítimas: Oficial preso por matar casal de idosos no Rio é transferido para Hospital da Marinha

No Jardim Botânico: Filho do casal de idosos morto a facadas diz que terminou o namoro com o acusado do crime porque ele o agrediu

De acordo com as investigações, por volta de 00h55, policiais militares do 2º BPM (Botafogo) foram acionados para um suposto suicídio no apartamento 105 do prédio 92 da Rua Pio Correia. Ao chegar no local, os PMs apuraram que se tratava de um duplo homicídio provocado por arma branca. De acordo com eles, Felipe estava no play no condomínio dizendo repetidamente: “Quero me matar, meus pais estão mortos no apartamento, tem mais gente em casa”.

Diante da narrativa de Felipe, os militares foram até o apartamento da família e encontraram o casal de idosos mortos no sofá-cama da sala. Cristiano foi localizado em seguida com comportamento alterado e uma faca ensanguentada, dentro da casa baú no quarto do ex-namorado.

Após mortes em imóvel: 'Nada vai apagar esse amor', publica filho de casal morto a facadas em apartamento

Os PMs acionaram então o Grupo de Local de Crime (GELC) da DHC, que realizou a perícia no imóvel. Cristiano foi preso em flagrante, socorrido ao Hospital Miguel Couto, na Gávea, e depois transferido para o Hospital Naval Marcílio Dias, no Lins. Ele estava desacordado e, de acordo com os militares, com elevado grau de embriaguez — tinha uma garrafa de bebida alcoólica ao seu lado, dentro da cama baú. No imóvel, foram encontrados diversas caixas de medicação controlada (Clonazepan).

Após prestar depoimento na sede da especializada, no fim de semana, Felipe publicou uma foto nas redes sociais em que aparece com os pais e escreveu. “Para sempre nos braços do Pai. Meus amores eternos. Nada vai apagar esse amor. Te amo, pai. Te amo, mãe”. Os corpos de Geraldo e Oselia serão enterrados nesta tarde, no Cemitério Jardim Metropolitano, em Fortaleza, no Ceará, terra-natal da família.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos