Carrasco do Brasil, Aboubakar 'perdeu' vaga para naturalizado, mas retomou titularidade de Camarões na Copa

O Brasil se despediu da fase de grupos da Copa do Mundo do Catar nesta sexta-feira com uma amarga derrota por 1 a 0 para Camarões. O gol marcado por Aboubakar não serviu para classificar a seleção africana para as oitavas, mas arrematou e vez a redenção do atacante, que ganhou a vaga de titular de volta no torneio.

Aboubakar era titular garantido da equipe até o início deste ano, tanto na campanha de semifinal da Copa Africana de Nações, quanto nas eliminatórias africanas para o Mundial. Mas a situação começou a mudar com a naturalização do atacante Bryan Mbeumo, do Brentford, da Inglaterra.

Nascido na França, o ponta-direita poderia atuar por Camarões e escolheu defender a equipe africana, com anúncio feito em agosto. Em setembro, fez sua primeira partida como titular, em amistoso contra o Uzbequistão. A partir dali, atuaria nos também amistosos contra Coreia do Sul e Canadá e não sairia mais do time titular, incluindo na Copa do Mundo.

Sua entrada do time não significou uma saída direta de Aboubakar, mas ajudou na ida do camisa 10 ao banco. Com Mbeumo, a seleção camaronesa passou a alternar entre um esquema com dois atacantes, Aboubakar e Choupo-Moting, e um com dois pontas abertos, Mbeumo e Ekambi. Nesse segundo esquema, Choupo-Moting, do Bayern de Munique, seria o escolhido para atuar como referência. O esquema foi adotado oficialmente por Rigobert Song, técnico recém-chegado, para a Copa do Mundo.

Em análise da partida contra a Sérvia, o colunista do GLOBO Carlos Eduardo Mansur explicou as mudanças na equipe:

"Em agosto, o Mbeumo, ponta-direita, resolveu trocar a França, que defendia na base, por Camarões. Isso mudou a forma de atacar do time, porque Camarões jogava com Choupo-Moting e Aboubakar como uma dupla. Para aproveitar o Mbeumo, que joga no Brentford, da Premier League, passaram a jogar com dois pontas, ele de um lado e Ekambe (Lyon) do outro. Foi feita a opção por um centroavante, num 4-3-3 para o time não ficar muito aberto, jogando com o Choupo-Moting", analisou.

Brilho nas oportunidades

Aboubakar não se deu por vencido. Por mais que a seleção de Camarões tenha sido eliminada, o jogador do Al-Nassr deixa a competição com grande performance pessoal. No primeiro jogo, contra a Suíça, entrou mas pouco fez. O brilho foi contra os sérvios, quando resgatou sua equipe, que perdia por 3 a 1: marcou um lindo gol de cobertura sobre Milinkovic-Savic. Depois, ainda deu assistência para o próprio Choupo-Moting, seu antigo companheiro de ataque.

Nesta sexta-feira, ganhou a vaga de titular — num retorno ao esquema com dois atacantes — e coroou sua performance no torneio entrando para a história de Camarões. Os camaroneses nunca haviam vencido o Brasil em Copas do Mundo. A euforia foi tanta, que o atacante acabou expulso pelo segundo cartão amarelo ao tirar a camisa.