Carnaval: 'fantasias' (só que não) que não deveriam aparecer na folia

Patrick Monteiro
·3 minuto de leitura
Fantasias que podem causar polêmica ou desconforto ao serem usadas nos blocos (reprodução / contas linkadas na matéria)
Fantasias que podem causar polêmica ou desconforto ao serem usadas nos blocos (reprodução / contas linkadas na matéria)

Os blocos de Carnaval já estão tomando conta das ruas do país e você já decidiu em quais vai? Ou nas fantasias que pretende usar? Para te ajudar na escolha listamos algumas fantasias que devem ser evitadas na folia.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Quebre padrões e se inspire em seres da natureza, míticos, mitológicos, personagens de filmes, seriados, quadrinhos. É melhor focar na ficção para se inspirar. Caso não queira elaborar muito alguma fantasia, glitter te colore e faz brilhar por onde passa.

Leia também

1- Nega Maluca e Black Face

A nega não é maluca e black face não é fantasia e nem aceitável em situação nenhuma. O termo se refere a pintar o rosto ou o corpo para representar um personagem originalmente negro. Atores faziam isso há alguns anos para representar personagens de forma pejorativa, o que só depreciava a raça. Negros sabem se representar e se pintar de negro não agrega.

2 – Homem vestido de mulher

Colocar um vestido e fazer chacota com o estereótipo feminino não é fantasia, é sexismo. Não ridicularize a mulher tentando curtir seu Carnaval. Menos, héteros!

3 – Baiana, Índia, Cigana...

Pode ser bonito, mas não caso você não seja pertencente a essas ‘tribos’ isso é apropriação cultural. Quando você usa de outra cultura para obter lucro. Um cocar indígena tem símbolos maiores do que um adorno para dias de folia.

4 – Figuras religiosas

Não precisamos misturar mais o profano com o sagrado. Figuras religiosas podem gerar polêmicas para muitas pessoas, principalmente quando associadas a sexualização: padres com propostas indecentes, freiras sexys, Iemanjá, ayatollah provocante...

5 – Garis, Empregadas e afins

Garis, empregadas e outras profissões não são fantasias. Em blocos pelo país ou em desfiles de escola de samba, garis estão ali trabalhando e não se divertindo. Assim como empregados domésticos, que algumas vezes são representados de formas sexuais e sabemos que é histórica a normatização do abuso sexual de empregadas domésticas.

6 – Políticos

O Carnaval é tempo de festa e diversão, mas sabemos que há alguns anos vivemos uma grande divisão política que tem separado famílias e amigos. Vale tomar cuidado ao representar na folia personagens como o presidente Bolsonaro, o Presidente Lula, a ministra Damares, Dilma Rousseff.... Vamos evitar, tá?