Carinhos Maia: "Na minha cabeça eu era um hétero que gostava de homem”

Carlinhos Maia desabafa sobre processo e desconstrução. Foto: Reprodução/YouTube

O humorista Carlinhos Maia, de 29 anos, publicou na terça-feira (30) um vídeo em seu canal no YouTube em que comentou sobre seu processo de desconstrução. Maia relaciona o aprendizado do último ano ao autoconhecimento.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

“Eu esperei um ano para gravar esse vídeo para vocês porque eu acho que todo aprendizado deve ser feito literalmente. Acho que ninguém aprende, começa a se desconstruir ou desaprender tudo que aprendeu em uma semana, um mês, em alguns dias. Eu basicamente levei um ano para começar a ver a mudança que aconteceu na minha vida de forma didática”, começou ele no vídeo, gravado no banheiro de sua casa.

Leia também

Maia, que foi duramente criticado nas redes sociais nos últimos anos, principalmente por algumas declarações consideradas preconceituosas pela comunidade LGBTQI+, afirmou que tirou o último ano para ler e aprender sobre si mesmo e sua sexualidade.

“De tudo que fui buscar, de tudo que fui ler, principalmente sobre mim, sobre o que eu sou, quem eu sou e se eu estava feliz comigo mesmo há um ano, se eu estava realmente num caminho certo”, explicou ele.

Em um momento do vídeo, Carlinhos chega a se direcionar para parte do público LGBTQI+ que o havia criticado no passado. “Espero que assistam esse vídeo com o coração aberto e não imaginem que isso seja uma justificativa, porque não é. É muito mais sobre mim do que justificar algo. É muito mais sobre o que estou me tornando e o que estou passando para as pessoas”, disse.

Medo e opressão

Em seu desabafo, Maia conta como crescer em um ambiente hétero-normativo o desincentivou a assumir seus gostos pessoais, seu jeito de se expressar fisicamente e, consequentemente, sua sexualidade. “Na escola, meu medo era sofrer bullying como outros colegas sofriam justamente por assumirem seus trejeitos, suas facetas, suas realidades. O medo de apanhar como eles apanhavam, o medo de sofrer como eles sofriam foi me camuflando, me deixando covarde comigo mesmo e meus princípios”.

Pela opressão sofrida ma juventude, o humorista chegou a renegar seu verdadeiro eu. “Fui crescendo e deixando de ser quem realmente eu era, e me tornando cada vez mais um deles. ‘Um deles’ que eu falo é um deles que eu não sou, que nunca vou ser. Tinha momentos da minha vida toda que eu falava mais pelos héteros do que por quem eu sou de fato, que sou um gay”, desabafou.

Autoaceitação e reconhecimento

“Precisei levar uns chacoalhes muito grande de pessoas iguais a mim, que sentem como eu, para entender e cair a ficha. ‘Ei, se toca, o mundo mudou. Teve muita gente lá atras que não esconderam à covardia para que hoje você possa usufruir da sua liberdade de ser quem você é.’ E eu tinha tanto medo de usufruir dessa tal liberdade que às vezes eu me olhava no espelho e nem sabia quem eu era de fato. Na minha cabeça eu era um hétero que gostava de homem”, secretou Maia.

O humorista ainda afirmou que o sofrimento de esconder quem verdadeiramente é o transformou em uma pessoa falsa, sem liberdade. Mas seu processo de autoconhecimento foi transformador. “Aos gays, todo o agradecimento, principalmente aos que me ensinaram com amor, aos que não soltaram minha mão e entenderam que é uma desconstrução mesmo, todo um processo”, agradeceu ele.

Para finalizar, Maia ainda deixou uma mensagem para os pais héteros. Confira o vídeo completo.