Capitã Cloroquina: Quem é a médica do Ministério da Saúde responsável por recomendar remédios sem eficácia contra covid

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Mayra Pinheiro
Mayra Pinheiro (Foto: Reprodução/Twitter)

A médica Mayra Pinheiro é o principal nome no Ministério da Saúde responsável pelas incessantes recomendações de remédios sem eficácia contra a covid-19, como hidroxicloroquina e cloroquina.

Secretária de gestão do Trabalho, ela assinou o ofício encaminhado a Manaus em que afirma que era “inadmissível” a não utilização dessas drogas. Também partiu dela a iniciativa do TrateCov, página na internet que orienta a administração de cloroquina e antibióticos até para dor de barriga de bebê.

Leia também

Ela foi nomeada em janeiro de 2019, ainda na gestão de Luiz Henrique Mandetta, por indicação da ala ideológica do governo. A médica ganhou visibilidade em 2013, quando foi até o aeroporto hostilizar cubanos que participavam de curso do programa Mais Médicos. No entanto, a pasta tem um documento oficial orientando a administração de hidroxicloroquina e de outras substâncias comprovadamente ineficazes contra o vírus.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, Mandetta afirmou que sempre a considerou tecnicamente inferior aos demais e por isso deu a ela poucas atribuições, em um cargo de “menor valência”. Todos os projetos passados a ela eram em parceria, para que fosse monitorada. O jornal diz também que secretários de Saúde reclamam há algum tempo da presença dela no ministério.

Na gestão de Eduardo Pazuello, atual ministro da Saúde, Mayra passou a integrar a linha de frente do ministério. Em Manaus, ela defendeu explicitamente o uso da cloroquina, “a despeito da imprensa”, que, segundo ela, “desinforma”.

Na entrevista ao lado do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), disse que era representante de Pazuello. Dias depois, o ministro da Saúde afirmou que o Ministério da Saúde não tem protocolo sobre uso de medicamentos como a hidroxicloroquina contra a covid-19.

Em maio, Mayra declarou que profissionais de saúde que se recusassem a disponibilizar cloroquina para seus pacientes poderiam ser julgados por omissão de socorro.

Ela convidou dez médicos defensores dos medicamentos com ineficácia comprovada contra covid-19 para uma viagem a Manaus, com todas as despesas pagas pelo Ministério da Saúde. O objetivo era fazer uma ronda nas unidades de saúde da cidade e reforçar aos profissionais de saúde que deveriam ministrar hidroxicloroquina e ivermectina para seus pacientes com coronavírus.