Cantora Roberta Flack é diagnosticada com ELA e não pode mais cantar

Cantora vencedora do Grammy Roberta Flack

LOS ANGELES (Reuters) - A cantora vencedora do Grammy Roberta Flack, cujos sucessos incluem "Killing Me Softly with His Song", foi diagnosticada com esclerose lateral amiotrófica (ELA), também conhecida como doença de Lou Gehrig, e não pode mais cantar, disseram seus representantes nesta segunda-feira.

A ELA, uma doença degenerativa, "torna impossível cantar e dificulta a fala", disse um comunicado de seus assessores. "Mas será preciso muito mais do que a ELA para silenciar este ícone."

Um documentário sobre a vida de Flack estreará em um festival de cinema em Nova York na próxima semana. Ele vai ao ar na rede de televisão PBS nos Estados Unidos em janeiro. Flack, de 85 anos, também estará lançando um livro infantil em janeiro.

A ELA afeta as células nervosas do cérebro e da medula espinhal responsáveis por fazer os músculos funcionarem, levando à paralisia progressiva e à morte.

Flack emplacou vários hits número 1 na década de 1970 e produziu 20 álbuns de estúdio. Ela venceu quatro Grammys e foi homenageada com um prêmio pelo conjunto de sua obra em 2020.

A cantora também foi a primeira artista a ganhar duas vezes seguidas o troféu de gravação do ano em 1973 por "First Time I Ever Saw Your Face" e em 1974 por "Killing Me Softly with His Song".

(Reportagem de Lisa Richwine)