Cantora Li Martins sofre aborto espontâneo: “Uma tristeza profunda”

·3 min de leitura
Li Martins sofreu aborto espontâneo na segunda gravidez (foto: reprodução / instagram @limartinsoficial)
Li Martins sofreu aborto espontâneo na segunda gravidez (foto: reprodução / instagram @limartinsoficial)

Resumo da Notícia:

  • Li Martins estava na segunda gestação, ela já é mãe de Antonella, de quatro anos 

  • A cantora compartilhou o desabafo sobre o momento del uto que está vivendo nas redes sociais 

Li Martins viveu um momento triste nos últimos dias. A cantora compartilhou com os seguidores de sua rede social que sofreu um aborto espontâneo do segundo filho ainda nas primeiras semanas da gestação.

“Os últimos dias não tem sido fáceis! Há dias que acordo bem, outros não tenho vontade de sair da cama. Nenhuma dor que eu já tenha sentido na vida se compara ao que sinto hoje, e talvez sentirei para sempre! Foram mais de 30 dias guardando isso comigo, sem saber se devia ou não dividir essa dor com vocês, mas penso nas mulheres que estão passando por isso, e quem sabe contando um pouco da minha experiência eu possa ajudar outras mulheres a sentir que não estão sozinhas nesse luto!”, começou o relato.

A cantora, ex-Rouge, explicou que no dia da segunda ultrassonografia seu médico percebeu uma alteração no desenvolvimento do feto. “Na 1ª, o tamanho sugeria 6 semanas, mas nessa o bebê estava menor que na última, como se tivesse regredido para o tamanho de 5 semanas. Então o médico disse que não havia batimento cardíaco nem sinais vitais. Nesse momento eu paralisei! Tentei disfarçar e não demonstrar para a Antonella a profunda tristeza que me dominou naquele instante", escreveu em referência à primeira filha, Antonella, de 4 anos, fruto de seu relacionamento com o modelo João Paulo Mantovani.

A artista descobriu a gravidez no final de outubro, com um teste de gravidez, e já marcou exames complementares. Mas no último dia 10 ela foi constatado o falecimento do feto. “'Meu Deus! Meu bebê não tem mais vida, e agora o que eu faço?' O médico me explicou que eu poderia esperar o corpo expelir ou fazer a curetagem! Eu optei por esperar, mas não imaginava como seria lidar com a ideia de saber que o meu bebê ainda está aqui, mas sem vida!”, relata.

Li concluiu o texto dizendo como lidou com o luto. “Acordei no dia seguinte com uma tristeza profunda, só tinha vontade de chorar, parecia um pesadelo, mas era real! Não sabia como agir, então coloquei as mãos na minha barriga, comecei a rezar e resolvi conversar com o bebê. Pedi perdão, pois não estou pronta para me despedir, e nunca vou estar. Agradeci pelo pouco tempo que esteve conosco, pela alegria q trouxe mesmo sendo uma passagem tão rápida, disse o quanto o amamos e para sempre vamos amar!", escreve.

Ela ainda falou da importância de sua rede de apoio e conhecer outras histórias sobre o tema. “Ler relatos de mães q passaram pelo mesmo tem me ajudado muito, por isso decidi escrever! Assim estou encontrando forças para superar! Jamais compreendi o quão devastador é! Pois só quem sente na pele, sabe! Se você passou ou está passando por isso, saiba q você não está sozinha! E já te admiro pela mulher forte que você é!", concluiu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos