“Se for cair os shows para as pessoas ficarem bem, prefiro”, diz Zé Vaqueiro

·1 min de leitura
Zé Vaqueiro é um dos cantores mais ouvidos do Brasil (foto: reprodução / instagram @zevaqueiro)
Zé Vaqueiro é um dos cantores mais ouvidos do Brasil (foto: reprodução / instagram @zevaqueiro)

Resumo da Notícia:

  • O cantor de piseiro conversou com o Yahoo! sobre as críticas que o setor de eventos vem sofrendo

  • Brasil, como o mundo, vive explosão de casos de coronavírus decorrente da variante ômicron

Zé Vaqueiro é um fenômeno do piseiro e despontou em 2021, durante o auge da pandemia, através de lives e compartilhamentos nas redes sociais. No fim do ano começou a ganhar os palcos do país e encontrar seu público, mas uma nova variante, a ômicron, pode adiar temporariamente os planos.

Desde os últimos dias de 2021 e primeiros de 22, o país vive uma explosão de novos casos resultantes da variante atual e o setor de eventos vem sendo criticado por promover encontros de pessoas sem máscara, mas em sua maioria vacinadas.

Em conversa com o Yahoo!, o cantor contou que o momento trás à memória a proibição de shows vivida recentemente. “Estamos um pouco assustados novamente, só Deus sabe o que passamos durante a pandemia. Mas a saúde e o bem-estar da população inteira é o que importa. Ver todo mundo bem e feliz”, ressaltou.

Para ele, a segurança sanitária de todos vem antes da diversão. “Deus me livre, mas se for para cair os shows para as pessoas ficarem bem, prefiro. Saúde em primeiro lugar”, reafirmou.

Cantores como Lulu Santos e Silva cancelaram suas atuais turnês até fevereiro de 2022 por conta do aumento de casos. No Rio de Janeiro o festival Universo Spanta, que reuniria mais de 150 artistas durante mais de um mês de apresentações, foi adiado para 2023.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos